Qué maravilla es La Paz, cholita

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014


La Paz, ciudad maravilla

Para regocijo general de sus pobladores y en especial de sus cholos y cholitas, la ciudad boliviana de La Paz ha sido elegida por millones de internautas como una de las 7  ciudades maravilla del planeta, en una iniciativa de la fundación New7Wonders que también distinguió otras seis ciudades del Caribe, Oriente Medio, África e Asia.

La Paz fue construida en un gigantesco valle, que sus habitantes también llaman "La Hoyada", tutelada por el emblemático nevado del Illimani, un glaciar de ocho kilómetros de punta a punta y cuyo pico más alto está a 6.483 metros sobre el nivel del mar.

Con cerca de un millón de habitantes, principalmente mestizos y aimaras, La Paz es la sede de los poderes ejecutivo y legislativo de Bolivia, aunque no su capital, que es Sucre, en el sureste del país. Las autoridades nacionales y municipales coinciden en que la designación reconoce la cultura viva de esa urbe tan singular, con una fuerte presencia de las costumbres aimaras -la etnia del presidente Evo Morales- y la topografía de la ciudad situada a 3.600 metros sobre el nivel del mar.
La Paz, ciudad maravilla

En su población destaca como un emblema  la chola, la mujer aimara que expresa con vigor y gracia su identidad indígena en sus atuendos, sus costumbres y sus formas de celebración religiosa. Tal vez por eso nadie esté más contento que ellas con la buena nueva, que las reconoce, las acepta y las incluye en el mapa de la diversidad de la cultura mundial y en el alma de la humanidad toda.

La sede del gobierno nacional boliviano fue fundada en 1548 por el capitán español Alonso de Mendoza con el nombre de Nuestra señora de La Paz para recordar el fin de un enfrentamiento entre conquistadores.

La Paz, ciudad maravilla
El alcalde paceño Luis Revilla anunció que, aprovechando la distinción, pondrá en marcha una estrategia de atracción de inversiones para el desarrollo turístico. 

Revilla dijo que organizará una "cumbre del turismo" para hacer un plan de largo plazo con el objetivo de convocar visitantes, promover los atractivos de la ciudad y conseguir inversiones.

"Los beneficios van a ir para la gente siempre y cuando tomemos buenas decisiones, nos organicemos y aprovechemos esta gran nominación para diseñar una estrategia del país de largo plazo", sostuvo el alcalde, opositor al gobierno nacional de Evo Morales.



Tanto La Paz, como La Habana (Cuba), Beirut (Líbano), Doha (Qatar), Durban (África del Sur), Kuala Lumpur (Malasia) y Vigan (Filipinas) fueron elegidas como ciudades maravillas del mundo porque "representan la diversidad global de la sociedad urbana", destacó el presidente de la fundación New7Wonders, Bernard Weber. Millones de internautas participan habitualmente en las elecciones de las maravillas del mundo, en un proceso selectivo que organiza la mencionada institución. 

"No cabe duda que es un reconocimiento a la historia de La Paz, a su geografía, a su topografía, pero ante todo es un reconocimiento a su gente", dijo el vicepresidente boliviano, Álvaro García Linera. Según García Linera, La Paz es una ciudad que supo "combinar de una manera virtuosa los contrastes" porque está rodeada de montañas nevadas, pero también tiene valles y porque padece temperaturas gélidas y elevadas, que se registran en un mismo día.

"Es una ciudad que combina tradición con modernidad, una gran capacidad de lucha, con una ternura infinita por los débiles. Es una ciudad que ha unido estos contrastes del espíritu y la geografía", sintetizó el vicepresidente.

La Paz, ciudad maravilla

Las nuevas 7 Ciudades Maravilla del Mundo es el resultado de la tercera votación impulsada por la entidad New7Wonders, que con anterioridad eligió los 7 monumentos y los 7 lugares de la naturaleza más sobresalientes al día de hoy en el planetaq
____________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

Todos somos americanos

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014


Obama anuncia novas relações com Cuba
Washington DC, 1959. Frente al monumento a A. Lincoln, el ego de Fidel en su justo lugar.
* Por Alú Rochya

Cuando, a principios de 1961, las relaciones entre Estados Unidos y Cuba se hicieron añicos, Barack Obama aún no había nacido. Su estrella cayó en Honolulú el 4 de agosto de ese año. Durante toda su vida, los gobiernos de su país y el régimen de la isla caribeña fueron feroces enemigos. El destino quiso que fuera él  quien acabase con el absurdo, dando un paso histórico al anunciar la decisión estadounidense de normalizar las relaciones bilaterales con Cuba, dejando atrás más de medio siglo de enfrentamientos y sanciones entre los dos vecinos que dejaron un rastro de sufrimiento y pérdidas irreparables para los cubanos e indignidad y oprobio para los norteamericanos.

La noticia reconfortante, dignificante y esperanzadora para todos los pueblos de las Américas, llegó el 17 de diciembre, día en que el Papa Francisco celebraba su aniversario numero 78. Y pareció convertirse en el mejor regalo de cumpleaños, pues él mismo ha sido el principal artífice de la reaproximación de los dos países en pugna, estimulando discretas negociaciones entre ambas partes.

Obama convocó a "dejar atrás el legado de la colonización y el del comunismo, la tiranía de los carteles de droga, de dictadores y farsas electorales. Es posible -dijo- tener un futuro con mayor paz, seguridad y desarrollo democrático si trabajamos juntos, no para mantener el poder, no para asegurar el interés personal, sino para promover los sueños de nuestros ciudadanos".

Hizo notar que "el cambio es duro, en nuestras propias vidas y en las vidas de las naciones. Y el cambio es aún más duro cuando llevamos el peso de la historia en nuestros hombros. Pero hoy estamos haciendo estos cambios porque es lo correcto que hay que hacer. Hoy, Estados Unidos elige deshacerse de las cadenas del pasado para poder llegar a un mejor futuro para los cubanos, para los estadounidenses, para todo el hemisferio y para el mundo".



Dando cuenta del impacto mundial que provocó el inesperado anuncio, el presidente de Uruguay, Pepe Mujica dibujó la mejor síntesis: "Es parecido a la caída del muro".

El aplauso unánime de los líderes regionales pareció ratificar la afirmación que Obama hizo en su discurso, ensayando un perfecto español: "Todos somos americanos". Sí, todos los que vivimos en América -Norte, Central, Sur-  somos americanos. Sea por nacimiento, sea por adopción. Seamos, negros, mestizos, blancos, amarillos o pielrojas. Sea que hablemos inglés, portuñol, quechua, francés, guaraní. Seamos católicos, ateos, protestantes, judíos, musulmanes, del candomblé o del santo daime. Seamos hétero, homo, bi, trans, pan, asexual. Sí, seamos prostitutas, ladrones, asesinos, honrados, célibes, justos,  héroes. Santos o demonios, todos somos americanos.

Sí, paridos por el humus feraz de este suelo o traídos en el vientre oscuro de los barcos, todos somos americanos, todos somos hermanos. Reconocernos hijos de un inmenso continente paradisíaco -que va de Alaska a Tierra del Fuego-, donde se cocina el  barro con que se forjará un ser humano nuevo, nos impulsará a seguir derribando muros y construyendo puentes. Para conocernos mejor, para descubrirnos más semejantes, para danzar las aleluyas de las alegrías vecinas y socorrernos en nuestras desgracias, oscuridades y oscurantismos hasta sanar y dejar atrás a nuestros propios demonios, esos que llevamos adentro de nosotros mismos, los mismos que debemos iluminar.

Navegando a la  buena de Dios, inmerso en un caos inédito que sacude absurdos dogmas, antiguos paradigmas e obsoletas ideologías, el mundo parece buscar en estos gestos dramáticos y de extraña benevolencia, el rumbo que nos lleve de retorno al paraíso perdido. Oxaláq
____________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

A nova energia da benevolência

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014


O Nobel da paz 2014

Nos últimos tempos, o mundo parece empenhado em mostrar suas piores chagas, seu lado mais sombrio e perverso. É como se fizesse necessário expor nossas podridões ao sol para olhar-las estarrecidos e proceder a saná-las. Na contramão disso, heróis anônimos vão aparecendo e se multiplicando levando adiante as mais variadas iniciativas de solidariedade e sanação. Seres humanos novos que trazem consigo a energia da benevolência, uma energia que está chegando ao planeta agora com uma força jamais antes vista, e isso porque agora temos muitas mais pessoas prontas para receber essa energia e lidar com ela. Duas dessas pessoas são os ganhadores do Premio Nobel da Paz 2014.

"Eu me recuso a aceitar que as algemas da escravidão sejam mais fortes do que a busca pela liberdade”. Com essas palavras, o indiano Kailash Satyarthi agradeceu, emocionado, receber o Nobel da Paz que compartilhou com a menina paquistanesa Malala Yousafzai. O premio é um alerta para a necessidade de proteger o futuro da humanidade, pois os dois premiados vêm se destacando na defesa dos direitos das crianças e adolescentes.

Kailash Satyarthi, tem 60 anos e deixou para trás sua profissão de engenheiro para se dedicar em tempo integral à luta pelo fim do trabalho infantil. Calcula-se que até aqui tenha resgatado umas 80.000 crianças -além de outros milhares de adultos- dos sistemas de trabalho escravo que infestam a Índia na levada da onda produtivista-consumista hoje dominante nesse país emergente.

Malala Yousafzai tem 17 anos e é a premiada mais nova na historia do Nobel. Com uma coragem incomum, ela vem batalhando pelo direito de crianças e adolescentes a estudar. Baseado no seu fundamentalismo arcaico e idiota, o Talibã acha que os jovens não devem estudar e lhes impedem concorrer à escola. Para abafar a campanha de Malala, em 2012, os talibãs tentaram matá-la mas seu deus decidiu protege-la. Recuperada das feridas de bala, a menina continuou com seu trabalho e hoje, ao receber o Nobel e aplaudida de pé, ela pediu para que “nós sejamos a última geração a ver salas de aula vazias, infâncias perdidas e potenciais desperdiçados”.    

Segundo a Organização das Nações Unidas, perto de 58 milhões de crianças de entre 6 e 11 anos sem nenhum tipo de escolarização, enquanto a Organização Internacional do Trabalho (OIT) calcula que cerca de 168 milhões de crianças no mundo são forçadas a trabalhar.

Hoje como nunca se faz imprescindível proteger crianças e adolescentes pois são eles os que trazem a informação do que deve ser feito no mundo para transformá-lo num lugar acolhedor, pacífico, amoroso, belo, bom de se viver. Não existe justificativo nenhum para que este planeta seja outra coisa. Todos juntos podemos viver bem e felizes. 

Sim, o mundo parece querer mostrar com insistência o lado ruim da humanidade. E está bem, precisamos enxergar o que está ruim para consertá-lo e assim acabar com tudo isso. Não tenhamos medo, esse mundo velho e obsoleto começa a desabar e outro mundo, mais justo, mais amoroso está começando a nascer. O hindu Kailash e a muçulmana Malala são duas felizes expressões e dois vivos exemplos desse mundo novo. Longa vida a elesq
____________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

Plantar sementes, colher $$$$$

terça-feira, 9 de dezembro de 2014




_____________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...
|| MAIS INFORMAÇÃO

Vegetarianos tem mais saúde

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014


Pessoas que estão avaliando deixar pra atrás a dieta carnívora sempre gostam de saber mais sobre os benefícios da dieta vegetariana. Pois bem, vejamos alguns dados que podem ajudar a adotar uma decisão. No quesito específico de saúde a dieta vegetariana pode ser usada na prevenção de doenças e como auxílio em tratamentos, conforme a ADA (American Dietetic Association). Por exemplo:

  • Doenças do sistema digestivo: em geral, pessoas vegetarianas sofrem menos de síndrome do cólon irritável, apendicite aguda, hemorróidas e úlceras.
  • Obesidade: a taxa de obesidade é menor em vegetarianos. Previne-se cardiopatias e problemas de colesterol e triglicerídeos.
  • Diabetes tipo 2: melhora o controle da glicose e favorece a manutenção de níveis desejáveis de lipídeos.
  • Infarto: redução do número de mortes em 31% em homens vegetarianos e de 20% em mulheres que seguem a dieta.
  • Colesterol: os níveis são 14% mais baixos em vegetarianos.
  • Osteoporose: mulheres após a menopausa com dieta rica em proteína animal e pobre em proteína vegetal têm taxa mais alta de perda óssea e risco maior de ter fratura de quadril.
  • Envelhecimento: repercute no bom funcionamento dos órgãos e em uma aparência física mais saudável.

Então, se já decidiu trocar de dieta, ótimo e se não vá experimentando algumas delicias vegetarianas. Ao final a única forma certa de saber direito alguma coisa é fazer a experiência. E a seguinte receita pode ajudar muito nesse sentido.

Paella vegetariana
Uma receita bem simples e fácil de preparar para a versão vegetariana de um dos mais tradicionais pratos da cozinha espanhola, principalmente da galega que, no fundo, é metade espanhola e metade portuguesa.



Ingredientes para fazer o caldo aromático

  • 1/4 xícara(s) de chá água
  • 1/2 cenoura
  • 1/2 cebola
  • 50 grama(s) de salsão
  • 2 dente(s) de alho
  • 40 grama(s) de alho-poró

Ingredientes para fazer a paella

  • 180 grama(s) de legumes variados (vagem, cenoura, brócolis, ervilha-torta, Salsão, alho poró, tomate e pimentão vermelho sem pele e sem sementes)
  • azeite a gosto
  • 1 colher(es) de chá de alho picado
  • 1/2 cebola
  • 1 colher(es) de chá de páprica doce
  • 1 colher(es) de chá de açafrão espanhol
  • sal e pimenta a gosto
  • 2/3 xícara(s) de chá de arroz
  • salsinha, pimenta-malagueta e gomos de limão-siciliano, para enfeitar
                                 
Modo de preparo do caldo aromático
Em uma panela, ferva a água junto com os vegetais.
Depois, coe o caldo e reserve.

Modo de preparo da paella
Em uma panela, branqueie os legumes em água fervente.
Em seguida, em uma panela ou frigideira grande, acrescente o azeite, o alho e a cebola. Refogue e junte os vegetais e os temperos.
Adicione o caldo aromático (preparado conforme receita acima) e deixe reduzir até a metade.
Em seguida, acrescente o arroz e salteie até o ponto desejado para a paella.

Para servir, enfeite com a salsinha, os gomos de limão e a pimenta cortada em tiras. Não que é bem fácil?

Dica:
Na hora de preparar o caldo, você também pode retirar os legumes, batê-los no liquidificador e adicioná-los novamente à panela. Isso renderá um caldo mais espessoq
________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

Algo cheira a podre no rio Paraíba

quarta-feira, 26 de novembro de 2014



O Sudeste do Brasil padece uma grave crise hídrica que ameaça o abastecimento de água para milhões de pessoas. E é nesse dramático quadro que começam a aparecer os resultados de anos de descaso com as fontes naturais do vital elemento. O seguinte dado é, simplesmente, estarrecedor: 600 milhões de litros de esgoto doméstico são jogados diariamente  em toda a bacia do Paraíba do Sul, um curso de água, originalmente cristalino,  que atravessa os estados brasileiros de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. 

O rio Paraíba é o principal fornecedor das redes de águas que atendem uns 6,4 milhões de humanos habitantes da região metropolitana do Rio e, agora -por um acordo para a transposição de parte de seu curso-, será um dos principais auxílios para mais 9 milhões de pessoas da cidade de São Paulo que vêm sofrendo com a seca do sistema Cantareira.   

Hoje, então, mais que nunca se faz imprescindível uma tomada de consciência para acabar com o envenenamento dessas águas preciosas. A principal contribuição dessa poluição são os rejeitos (descartes não recicláveis) residenciais que ainda representam um enorme desafio aos gestores públicos, sendo a pecuária a segunda atividade que implica a perda da qualidade das águas. A poluição industrial é outra vilã. A bacia do Paraíba do Sul, que abrange 184 municípios, conta com 7 mil indústrias e cerca de 6 mil pequenas, médias e grandes fazendas, sendo a maior poluidora em potencial, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). 

Está faltando esclarecimento, educação e campanhas para conscientizar. O Estado tem sua responsabilidade nisso porém a população não deveria poupar-se pois o maior descaso é, casualmente, dos cidadãos, sendo que eles próprios são o mais prejudicados com sua conduta falha. Somos milhares, dezenas de milhares, milhões até. Estamos esperando o quê? Que um, dez ou cem funcionários venham a resolver nosso problema, a nos dizer onde devemos jogar o lixo ou como devemos reciclá-lo ou como temos que cuidar nosso rio, ou porque temos que preservar o ambiente onde a gente mora? Não sabemos disso? Será que somos coitadinhos ignorantes, analfabetos ambientais? Ou será que estamos sendo irresponsáveis?

Vamos pessoal, vamos tomar vergonha na cara, se falta informação vamos procurá-la e façamos o que temos de fazer. Vamos reclamar, sim; vamos exigir, sim, mas sobretudo vamos a agir. Ao final é nossa própria saúde, nossa própria sobrevivência e a de nossos filhos e seres queridos o que está em jogoq
___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

Consciência em branco e negro

quinta-feira, 20 de novembro de 2014


Dia da consciência negra

A alma não tem cor.

________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

El tiempo es veloz

terça-feira, 11 de novembro de 2014



* Por Alú Rochya

 ¿No tienes la sensación de que el tiempo está corriendo más veloz? ¿Como si la parábola de nacimiento, apogeo, decadencia y muerte que marca la existencia de todas las cosas hubiese ganado en fugacidad? Un amigo me lo hizo notar hace un tiempo, al confesarme cierta desorientación frente a la liquidez de los hechos cotidianos: “la verdad?... es que no sé adónde vamos, lo único que sé es que vamos muy rápido”. ¿Y hacia dónde es que nos dirigimos tan raudos?

Hoy, sin duda,  el tiempo se ha tornado más veloz. No es apenas una sensación, es una realidad. Por una parte la tecnología ha acelerado los contactos entre seres humanos y con ello aceleró las decisiones, los movimientos, los encuentros y las despedidas. Por otra parte la carrera por la ganancia de dinero ha llegado al paroxismo y la competencia se ha hecho feroz, sin lugar a la mínima distracción. Finalmente, el modo de promover mayores lucros es convertir todo en material descartable y así, el ir y venir de las cosas, el aparecer y desaparecer de la información alcanzan una celeridad inusitada. Sin embargo, parece haber algo más que todo lo acelera.

En algún momento de su larga jornada el hombre percibió uno de sus mayores dones: el poder de la creación. Comprendió entonces que no sólo él y las cosas a su alrededor eran creadas sino que también él mismo podía crear. Y tomó el barro y amasó; y esculpió una piedra e hizo un hacha; frotó una ramita en la piedra y encendió el fuego; construyó la rueda; pudo ir más lejos; sometió a animales, doblegó a las plantas, cambió el curso de los ríos. De a poco se sintió un dios. No el dios que realmente es, ese dios parcial, ese dios-parte, ese dios-tributo del espíritu universal sino otro, un dios más terreno pero absoluto, capaz de dominar la materia, hacerla y deshacerla.

Haciendo y deshaciendo, el hombrecito-dios  llevó al apogeo su increíble y portentosa civilización materialista. Y con ella, llegó a la cumbre, donde ha sido poderoso y, por momentos, hasta feliz. Pero siempre supo que, en esta dimensión, después de llegar a la cima no hay otro lugar a alcanzar que no esté abajo. Y el hombrecito-dios ha iniciado, a regañadientes, el inevitable descenso.

Desciende con todo el peso de su creación en la mochila. Por eso el descenso se hace veloz. La gravedad acelera el vértigo. La Madre Tierra se parte aquí y allá para recibirlo en un abrazo profundo que lo llevará a la muerte. Muerte que acabará con todo lo que fue y le dará vida nueva, pariéndolo otra vez.

El planeta inicia un nuevo ciclo de vida, alineándose con los nuevos ciclos del sol y de nuestra galaxia. En esa armonización, se limpia de todos los daños y detritos generados por el hombre-productivista. Terremotos, tsunamis, temporales, huracanes, heladas, sequías son modos de expresión de Mamagaia, actuando como medium del mensaje silencioso que aquel hombre no supo escuchar. Tierra en transe, para decirle a ese hombre que el descenso desde el apogeo de la materia es en verdad una ascensión.

El universo se expande en un espiral ascendente. El sentido de la evolución nos muestra que todo va creciendo hacia arriba. El tiempo es veloz, sí, porque nos dirigimos raudos hacia el inminente fin de los  tiempos, el fin de estos tiempos de absurda acumulación de riquezas, de abismales desigualdades, de libertad cercenada, de miedos, de egoísmos, de odios.

Preparemos, con amor, el inicio de un tiempo nuevo, las condiciones para el parto de la nueva civilización. Otros tiempos vendrán, porque el sol siempre saldrá mientras que a alguien le queden ganas de amar. Y apuesto a que tú no quieres quedarte con las ganas. O sí?...q 


_________________________________________________________________________
¿Qué opinas de este post? Clica abajo, en el link COMENTARIOS y déjanos tu palabra....

Ocio liberador

quinta-feira, 30 de outubro de 2014




Uno de los grande desafíos de la nueva época
es hacer que los períodos de ocio
se hagan nuevamente tiempos de creatividad,
de descubrimientos, de solidaridad y ciudadanía,
de momentos de educación libertadora
y no apenas tiempos de consumo alienante”.

 _____________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...


Escutar a mudança

terça-feira, 21 de outubro de 2014


Aprender a escutar

Nossa vida está acontecendo num momento raro do mundo. Tudo está pra lá de confuso, misturado, contaminado, cheio de contradições. É assim que se apresenta toda transição. As coisas são um pouco como já foram, outro pouco como virão a ser e mais outro pouco como estão sendo neste mesmo instante. Estamos  vivenciando a passagem de uma era planetária para uma outra.

Sumiram todas as certezas. Quando aprendemos de cor todas as respostas nos trocaram as perguntas (iiihhhhh!!!...). E então, se desejarmos acertar o caminho, num momento destes torna-se imperioso decodificar o que está havendo para tentar compreender. E para conseguir compreender se faz necessário escutar (não apenas ouvir). Pois há muito sóis crestando entre as estrelas. Escutar até o silêncio, com todos os sentidos mas principalmente com o coração. 

Os tempos estão correndo ligeiros, produzindo transformações em uma velocidade estonteante. Se a gente não acompanha as mudanças mudando também nós, acabaremos atropelados pela vida e um triste dia acordaremos ancorados no nada.


Escutar é ver além da superfície das coisas, dos fatos e das pessoas. Escutar é sentir coisas diferentes àquelas que já conhecemos, àquilo que até agora somos. Se descobrirmos coisas diferentes vamos descobrir, com alegria, que o mundo é bem mais amplo -porque a Terra é pequena- e a vida é bem mais rica, mais diversa, multicor.

Assim poderemos ver que nosso caminho pode se alargar e nossa vida se enriquecer. Poderemos, finalmente, nos transformar, combinando sintetizando nossas próprias riquezas com as riquezas dos outros. E assim acompanhar a transformação dos dias, dançando com eles a mesma música. Vamos lá.
q    
___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

Energia limpa, barata e infinita

quarta-feira, 15 de outubro de 2014



Los paneles solares fotovoltaicos representan la tecnología de energía renovable con crecimiento más rápido en el mundo desde la década de 2000. La capacidad instalada mundial ha estallado desde los 1,5 Gigawatios (GW) que había en esos años a los 136 GW actuales, según la Agencia Internacional de la Energía (AIE). Y a eso hay que sumar que el precio de los paneles solares se ha abaratado un 80% desde 2008.

Eso en el sistema eléctrico, pero es que la consultora internacional UBS, en agosto de 2014, publicó en su informe “Global Utilities, Autos & Chemicals Will solar, batteries and electric cars re-shape the electricity system?” que “los sistemas solares y las baterías son tecnologías disyuntivas para el sector eléctrico. Antes de 2020, la inversión en fotovoltaica + baterías + vehículo eléctrico se amortizará mediante ahorros, sin necesidad de apoyos, antes de 8 años. Los, al menos, 12 años restantes de vida útil proporcionarán energía gratis”.

Bolivia es uno de los países con mayor diferencia ortográfica entre sus regiones. Casi el 30% de su superficie está por encima de los 3.000 metros sobre el nivel del mar, y los diferentes climas crean una gran biodiversidad, que en muchos casos dificulta la transmisión de energía por todo el país. Así, algunas poblaciones basan su generación eléctrica a partir de grupos electrógenos diésel, y su gasto energético es muy elevado, al mismo tiempo que sus emisiones. 

Una de esas poblaciones sin conexión a red es Pando, que produce el 100% de su energía gracias a generadores diésel. Para limitar al máximo esta demanda, se está construyendo en su ciudad capital, Cobijauna instalación híbrida fotovoltaica-diésel (foto de arriba) con almacenamiento mediante baterías. Esta central podrá constituirse como la mayor del mundo con 5 MW de potencia, estará terminada a finales de este año y podrá cubrir la mitad de la demanda de energía de esta zona del norte de Bolivia.

Quienes desprecian las ventajas de la energía solar defendiendo patrones energéticos contaminantes y obsoletos son ignorantes o se mueven por intereses particulares espúrios. La fuente solar es una de las claves del futuro energético que nos proveerá de energia limpia, barata e infinitamente renovable q
________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

Parto em casa é mais seguro

terça-feira, 7 de outubro de 2014



Pesquisa holandesa aponta que mulheres na segunda gravidez têm menos chance de sofrer complicações se tiverem o bebê em casa. Partos feitos em casa são menos arriscados do que os de hospital, principalmente na segunda gravidez, sugere uma pesquisa publicada na revista científica British Medical Journal.

O estudo, realizado por pesquisadores holandeses, indica que, no geral, os riscos de complicações severas é de 1 em mil para partos caseiros e 2,3 em mil para partos nos hospitais.

Para mulheres com gravidez de baixo risco que têm o primeiro filho em casa, as chances de precisarem de tratamento intensivo e transfusão de sangue eram pequenas e similares ao das mulheres que dão à luz no hospital: 2,3 por mil em partos caseiros e 3,1 por mil para partos de hospital.

Já para mulheres na segunda gravidez, os riscos de complicações severas eram bem menores em partos domiciliares. Entre essas grávidas, a chance de sofrer hemorragia pós-parto era de 19,6 por mil, em comparação com 37,6 por mil para mulheres atendidas no hospital.

Os pesquisadores, que incluem parteiras especializadas e obstetras das universidades de Amsterdã, Leiden e Nijmegen, avaliam que os dados são "estatisticamente importantes".

A pesquisa analisou cerca de 150 mil mulheres com gravidez de baixo risco na Holanda que deram à luz entre 2004 e 2006. Entre elas, 92.333 tiveram bebês em casa e 54.419 foram atendidas no hospital.

Procura-se parteiras
Na Holanda, partos caseiros respondem por cerca de 20% do total de nascimentos no país. A pesquisadora Ank de Jonge, do VU University Medical Centre em Amsterdã, disse que os dados mostram que o sistema holandês funciona bem. "Isso vem de um bom sistema de avaliação de risco, que inclui boa rede de transporte e parteiras treinadas", disse Jonge.

A pesquisadora acrescenta que mulheres que dão à luz em casa têm menos chances de sofrer intervenções, mas, em caso de emergências, "é preciso que a resposta seja eficiente".

Cathy Warwick, presidente da Royal College of Midwives da Grã-Bretanha, disse que a pesquisa prova que há segurança e benefícios dos partos caseiros para algumas mulheres, principalmente as que dão à luz pela segunda vez.

"Esta pesquisa deveria estimular serviços de maternidade a alocarem mais recursos para oferecer mais oportunidades para que as mulheres tenham partos em casa. Sabemos que muitas delas gostariam de fazê-lo, mas não podem por causa da falta de parteiras", disse Warwick.

No Brasil, 97% dos partos são feitos em hospitais, segundo o Ministério da Saúde. O SUS (Sistema Único de Saúde), por meio do projeto Rede Cegonha, lançado em 2011, vem promovendo a capacitação e qualificação de doulas (acompanhantes) e parteiras tradicionais, que fazem partos em regiões mais isoladas do país, onde há falta de hospitais e médicosq
_____________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...
|| MAIS INFORMAÇÃO




O espírito do dinheiro

terça-feira, 30 de setembro de 2014



* Por Oscar Quiroga

Vivemos, sabemos disso, mas ao mesmo tempo sabemos que temos uma impressão distante da Vida, como se esta acontecesse à nossa revelia, ou como se nós, humanos, estivéssemos exilados da natureza, desterrados do paraíso.

É propício, por isso, perguntar, em que momento de nossa história evolutiva perdemos o contato com a Vida que nos anima? Em que condições isto aconteceu? Ora, podemos elaborar complicadíssimas teorias a respeito, mas nada disso nos ajudará, e talvez muito pelo contrário, todas as teorias e elucubrações apenas nos sirvam para cimentar ainda mais nossa ignorância. O assunto agora, seres humanos -e é justamente por isso que me dirijo a vocês na qualidade de seres humanos- é superarmos a estreiteza mental com que consideramos a realidade, passando a focar nossa consciência em tudo que temos em comum.

Essa mania de exílio e de separatividade com que tratamos todos os assuntos da Vida já deu tudo que tinha para dar, já causou todos os sofrimentos e agonias imagináveis e, a partir de agora, teremos de nos apressar para ocupar o lugar merecido, o lugar destinado, o lugar de distribuidores de energia cósmica, fazendo com que nossas presenças se integrem à infinita rede de distribuição de Vida.

Seres humanos, é fantástica a oportunidade que nossa espécie tem em mãos. Esta é disponível, porém, não acontecerá por si só, e é justamente por isso que uma das coisas mais importantes e proveitosas que podemos fazer em benefício do mundo e até de nós mesmos, é  parar com essa mania de buscar oráculos  para ver o que vai nos acontecer, porque neste momento de nossa história evolutiva importa menos aquilo que nos acontecerá, e muito mais a maneira com que nós mesmos aconteçamos, e por acontecermos, fazer com que as coisas aconteçam também.

Por isso, seres humanos, evitem buscar oráculos para saber o que vai lhes acontecer, dediquem esta mesma busca pelos oráculos para entender melhor qual seria a maneira mais sábia de vocês acontecerem. Enquanto isso, e enquanto nos esforçamos para acontecer, mantenham o foco da consciência absolutamente lúcido a respeito da oportunidade fantástica que nossa espécie tem em mãos, reconhecendo que o único que ainda falta para realmente aproveitar esta oportunidade é recuperar a noção do que é sagrado.
 
A crise global é espiritual
Seres humanos, enquanto tivermos noção e reverência pelo que for sagrado, tudo continuará indo muito bem, pois ainda que continuemos andando à cegas, sem saber muito bem o que acontece, pelo menos aconteceremos da melhor forma possível, participando de eventos cósmicos a despeito de não sabermos os detalhes deste processo. A reverência pelo sagrado garantirá que tudo que fizermos terá espírito, terá alma, que nossos negócios terão o sopro vital que os transformará de atividades meramente egoístas em exercícios produtores de benefícios para o todo de nossa espécie.

Seres humanos, nós já provamos que somos capazes de executar obras titânicas, mas também provamos que amesquinhamos tudo que fazemos ao separar estas obras do espírito que as anima, e que por ter operado esta separação, a grandeza original se perdeu de vista, aparecendo a miséria em seu lugar. Desafortunadamente, nos moldes da civilização atual, o nosso grande e principal obstáculo na procura de mais espírito são as próprias religiões, que se transformaram em corpos de doutrina morta, sem capacidade de ensinar às pessoas como entrar em contato com o Altíssimo nem tampouco como estabilizar este contato.


Seres humanos, apesar de que as religiões e doutrinas espirituais se dedicaram a demonizar a matéria e também o trabalho dos executivos e governos, continuamente dedicados a encontrar métodos de organização eficientes que produzam maior comércio e finanças saudáveis e prósperas, estes esforços, assim como os da ciência, também representam o advento da Era de Aquário, porém ainda são carentes de ideal e, por isso, mesmo que corretos, não produzem o resultado destinado. A crise que enfrentamos globalmente não é resultado de que no futuro não teremos instituições e governos, esta crise é real justamente porque representa para nós a perspectiva de espiritualizarmos o que até aqui parecia prescindir do espírito.
 
Alma do negócio
Falta pouco, mas o pouco que falta é o mais importante e, por sê-lo, não admite erros nem mais procrastinações, e se tiver de ser encontrado através da desgraça, assim será. Entendam seres humanos, não há nada de errado no comércio, não há nada de errado na prática de se buscar realizar obras grandiosas e de enriquecer a realidade, porém, há um erro de proporção. Nada disto poderia ser feito sem o sopro divino, sem a alma do negócio, se você tira a alma do negócio, fica apenas uma carcaça mesquinha, que produz miséria no lugar daquilo que se buscava originalmente, prosperidade e felicidade.

Por isso, seres humanos, não desistam, mas pelo contrário, insistam, persistam no caminho da correção, que o verdadeiro problema não está nas limitações do mundo físico, na qualidade de nossos corpos ou nas adversidades de ordem financeira que eventualmente soframos. O verdadeiro problema radica no melhoramento desse ser subjetivo que nós somos, pois é este o nosso destino, superar todas as contrariedades encontrando força e poder no centro do coração, em vez de fazer o que constante e teimosamente fazemos, que é esperar que nossa existência aqui na Terra seja folgada e sem limitações para só então nos dedicarmos ao fortalecimento do vínculo com o espírito.

Este é o nosso erro básico e até que não o saremos nada de novo nunca acontecerá conosco. O melhoramento do ser interno e subjetivo é o verdadeiro destino, a superação de nossas fraquezas, de nossa triste e fraca vontade, da nossa falta de tenacidade na conquista dos propósitos que nós já conseguimos enxergar, mas que ainda tratamos com preguiça e indolência, como se tivéssemos outros assuntos mais importantes do que este para tratar. A respeito de cada problema que enfrentamos no mundo físico nós temos à nossa disposição inúmeros remédios, todos muito eficientes, porém, o verdadeiro problema reside na falta de vontade  para colocá-los em prática, pois todos estes representam o domínio da própria natureza e isto não é algo que possa ser atingido de forma automática, como efeito do toque de uma varinha de condão.

Tudo exige disciplina de nossa parte, exige esforço e constância, e principalmente exige uma boa vontade, uma vontade firme que não se apavore quando os primeiros demônios aparecerem, ou que não se deixe seduzir por todas as ilusões que, irremediavelmente, aparecerão no caminho de quem começa a fazer com que sua luz espiritual, aquela que garante a participação nos eventos cósmicos, começa a se irradiar do centro do coração em direção ao mundo, tornando sua presença uma influência marcante.
 
Que demônios são esses?
Seres humanos, paremos de demonizar a prática dos negócios e a política também, pois a intensa concentração da mente no mundo dos negócios é um exemplo de meditação, de consagração a um objetivo de forma permanente. Apesar de ter se demonizado esta situação desenhando-a como um desperdiço de energia mental, no fundo é um exemplo de dedicação ao processo organizacional que o Plano Cósmico requer para continuar se processando da melhor maneira.

Porém, antes de começar a celebrar como se tudo estivesse correto no mundo materialista, há de se observar que, por enquanto, tudo está bem na sua forma, mas carente de essência, e este detalhe acaba produzindo resultados opostos aos esperados. Busca-se prosperidade, mas acaba se encontrando a miséria. Falta o ideal que vivifique o trabalho executivo das organizações.


Por isso, a oportunidade atual é fantástica, porque nós colocamos em marcha muita coisa e só falta vivificar o mundo com espírito, permitindo que o mundo que inventamos aceite o sopro vital que se encontra disponível, para que a matéria se coloque ao serviço de um ideal superior. Este é um processo que está em andamento individual e coletivamente, da mesma forma com que temos de colocar nossas personalidades físicas à disposição de nosso Eu superior, nós também teremos de colocar à disposição do espírito as instituições mundanas.

A oportunidade disponível é a de dar o próximo passo, melhorar consagrando o intenso esforço que governos e corporações concentram no mundo dos negócios a um ideal superior. Hoje em dia as estruturas estão corretas, do ponto de vista formal, pois foram produzidas por um novo tipo de meditação, diferente da contemplativa, mas não por isso menos eficiente, que é a concentração da mente na organização de negócios e comércio.
Porém, esta estrutura carece de alma, falta alma ao negócio, e o próximo passo disponível é que os humanos de negócios e dos governos recuperem o ideal que proveja com sentido a tudo que já fazem e sabem fazer. Este é o sopro vital que falta, mas que se encontra disponível, é o próximo passo. É fácil dar este próximo passo? Nada é fácil, muito menos fazer com que o dinheiro sirva a um propósito maior do que meramente acumulá-lo.

Porém, há seres humanos de boa vontade espalhados em governos e corporações do mundo inteiro, preparados para fazer esta transmutação de ideais, preparados para devolver a matéria aos seus verdadeiros donos, pois intuem que só assim a verdadeira riqueza acontecerá entre o céu e a terra, já que, inclusive, eles e elas pastaram o suficiente para perceberem que aquela velha frase, aquele chavão dinheiro não compra felicidade era muito mais realista do que se imaginava.

Dinheiro e felicidade só se conjugam na mesma medida em que se consagrar o dinheiro a um ideal elevado, e por isso este dinheiro seja distribuído em vez de simplesmente acumulado. Seres humanos, todos sabemos intimamente que isto é real, que esta verdade precisa ser colocada em marcha, manifesta da melhor forma possível, mas ainda não nos atrevemos a isto, pois nos convencemos de ser impossível deter a voragem do mundo, já que este vai passar por cima de nossas vidas se nos atrevermos a contrariá-lo.
 
O próximo passo
A este respeito, seres humanos, é importante perceber que nós não devemos buscar a oportunidade de dar esta virada longe do lugar em que nos encontramos, pois esta se encontra disponível onde estamos, na família que constituímos e na vida cotidiana que levamos. Isto vale para todas as pessoas, porém, só as de boa vontade, que estão prestes a transfigurar esta boa vontade em vontade para o bem, terão olhos lúcidos o suficiente para percebê-la, e por isso aproveitá-la também.

A oportunidade será encontrada na atenção dada aos deveres, no esforço empreendido para superar as dificuldades e, principalmente, na íntima aderência ao que é sagrado, pois sem este detalhe nada demais acontecerá com ninguém, e nenhuma oportunidade se revelará. Tudo está certo em sua forma, só falta o espírito fertilizar a forma. Recuperar o sagrado é o passo seguinte, trazer o sagrado de volta para a família, de volta para a vida cotidiana, para o espaço de trabalho, para tudo que parecia estar exilado da participação nos eventos cósmicos.

Aumentem o espaço e tempo sagrado em suas vidas particulares, dentro de suas casas e em todos os relacionamentos de que participarem, percam o pudor de falar abertamente do espírito!


Enquanto isso, sejamos compassivos e compreensivos, pois é natural que, de acordo com os acontecimentos atuais, vejamos os humanos de negócios quebrando a cabeça, já que estão convencidos de que fizeram tudo certo, mas percebem que deu tudo errado. O certo que fizeram foi ter aproveitado a onda cósmica organizacional, consagrando suas mentes e corações ao trabalho executivo de programar com o maior detalhe possível todos os passos que estruturariam a prosperidade material.

Porém, faltou alma ao negócio, os motivos de tão intenso esforço não foram puros o suficiente, pois apesar de que no início de tudo o humano vislumbrou que teria de compartilhar e distribuir os recursos amealhados, na hora de dar este passo falhou, e continuou açambarcando em vez de distribuir. Faltou espírito, faltou alma ao negócio, mas esta oportunidade se torna disponível, agora, mais do que nunca, e só isto importa.

Destruir com cuidado
As grandes organizações de negócios, o mundo do comércio e das finanças, assim como também as comunidades civilizadas, têm ao seu dispor a oportunidade de recuperar a alma que foi exilada no percurso do caminho, já que no início lá estava ela, bela e radiante, na forma do ideal de distribuição de recursos que deu o impulso vital a todos os negócios, governos e até à própria democracia.

Porém, os humanos, por pura tolice, começaram a se convencer de que os recursos amealhados ainda não eram suficientes para ser distribuídos, e assim a alma foi sendo exilada até ser literalmente esquecida. Porém, a alma não esqueceu o processo, e agora retorna, e em seu estandarte vem Shiva, o destruidor de limitações, para que tudo volte ao plano original. 


Seres humanos, tenham certeza de que destruiremos tudo que limita o surgimento da verdadeira riqueza, destruiremos tudo que for obstáculo para a evolução, mas teremos de ter sumo cuidado para não nos comprazer com a destruição, pois desta forma cometeríamos o mesmo erro de todos nossos antepassados e perderíamos de vista o sopro vital que anima este momento.

Destruiremos em nome da visão que temos de uma realidade mais pura, sagrada e próspera  para a maior quantidade possível de pessoas. Este é o destino, que atingiu seu momentum e não pode mais ser detido. Hora de escolher de que lado você vai querer ficar nesta luta, do lado do passado ou do lado do eterno agora, que é o espírito. Hora de decidir se você vai dar o próximo passoq
 
Texto antigo porém assustadoramente atual do astrólogo e bruxo Oscar Quiroga,  publicado sob o título  O Próximo Passo.
________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO