El cambio somos nosotros (o no?)

domingo, 29 de maio de 2016



* Por Alú Rochya 

Las más efectivas adaptaciones a las mutaciones que proyecta para nuestro planeta el denominado cambio climático son aquellas que cada uno de nosotros pueda hacer de manera concreta en nuestra cotidianeidad, en nuestra casa, en nuestro barrio. Y eso está más cerca de lo que imaginamos, y presenta mayores chances de ser llevado a la práctica de lo que creemos.

Se trata de un movimiento mínimo: abrir los ojos. Quien más quien menos sabe o conoce o dispone de alguna información acerca de lo que está aconteciendo. Sin embargo, la mayoría opta por cerrar los ojos, hacerse de distraído y seguir con la vida que venía llevando. Despertarse, levantarse y encarar el mismo diagrama de una jornada en la que cada uno gasta y consume mucho más de lo que la naturaleza puede producir en ese mismo día. El material de todo lo que tenemos y consumimos, desde un automóvil hasta el pan de cada día, ab-so-lu-ta-men-te to-do, es extraído de la tierra. Y estamos extrayendo en una proporción de 3 a 1. Es decir, nos estamos devorando el planeta.

Abrir los ojos es hacerse cargo de lo que está aconteciendo, pues somos los únicos seres vivos del planeta que podemos replantearnos la vida de manera conciente y reorganizarla desde esa conciencia. Las plantas, animales y minerales también tienen su inteligencia y a menudo la aplican mejor que los seres humanos, pero su conciencia es limitada. Sólo nosotros podemos acceder a la información total, sólo nosotros podemos ver lo que está aconteciendo en todas partes y en todos los planos, sólo nosotros poseemos las tecnologías (natural y artificial) necesarias para modificar las cosas. Somos nosotros, pues, los únicos que estamos en condiciones de tomar el comando para garantizar y organizar una vida buena, digna y posible para todos los seres vivos.

A veces da la sensación de que fuésemos pasajeros de un Titanic planetario, que bailamos alegremente al ritmo frenético impuesto por el aceleracionismo capitalista sin percibir que el barco se hunde irremediablemente. Atravesamos cada dia nuestra ciudad sin atender que las ciudades son responsables por el 80% de la emisión global de los gases llamados de efecto estufa. Como lógica consecuencia, las ciudades acaban sufriendo el mayor impacto ambiental, originado en su propio desatino. Uno de los problemas clave es la superpoblación. Más del 50% de la humanidad se concentra en áreas urbanas. Así, no es de extrañar que, juntas, las 50 mayores ciudades del mundo emitan 2 mil 600 millones de toneladas de gases y se ubiquen en el tercer lugar del triste ranking de polución que encabezan los territorios de Estados Unidos y China.

Los pobres buscan en las ciudades una salvación que jamás alcanzan .
Las ciudades y sus habitantes se han constituído en los grandes villanos del  calentamiento global. Y es lógico. En la procura desesperada por sacarle el mayor jugo posible, los grupos de poder han arrasado con toda regla de convivencia con la naturaleza y han acabado por degradarla. Buscando votos para los políticos y consumidores para los grandes empresarios, quienes detentan ese poder no han reparado en concentrar multitudes ilusas. Y estas, a su vez, no han conseguido lo que buscaban en la gran urbe y, por el contrario, han multiplicado la carencia de todo.

Se exige, claro, un replanteo profundo de la vida en las ciudades. No sólo para atenuar los efectos del clima díscolo, principalmente para reproyectar la organización misma de la humanidad hacia una etapa post urbanadonde la existencia de los hombres y mujeres y sus acciones cotidianas estén armonizadas con el organismo vivo que representa la naturaleza terrestre, de la que somos tributarios y beneficiarios.

Se hace necesario comprender que necesitamos de dos herramientas imprescindibles: sustentabilidad y humildad. Puede apreciarse en nuestra vida cotidiana: si gastamos más de lo que ganamos nuestra vida no se sustenta y si consumimos un montón de cosas que no precisamos somos estúpidamente vanidosos pero igualmente irresponsables. Ser sustentable y humilde es ejercer un consumo en base a la disponibilidad de los recursos y a las reales necesidades humanas.

Ser sustentable y humilde también es tener que angustiarnos menos por las deudas o por no poder comprar lo que nos quieren encajar a toda costa; ser sustentable y humilde es dejar de matarnos trabajando para obtener dinero para dárselo a otros y poder disponer de mayor y mejor tiempo para hacer lo que más nos gusta y deseamos, que es a esto a lo que vinimos al mundo.

Villas a escala humana, la mejor respuesta a las ciudades degradadas y sin alma.
No esperemos demasiado de nuestros líderes y gobernantes. Exijamos, demandemos, votemos bien pero sobretodo hagamos nuestra parte. Si abrimos los ojos, veremos que tenemos a nuestra disposición un listado de soluciones pequeñas que pueden contribuir a hacer nuestra vida mejor más agradable y de mayor calidad. Cómo?...Comenzando por casa. Empecemos por tener en cuenta nuestra propia familia. Enseguida, a nuestros vecinos, a nuestros amigos y preguntémonos que podemos hacer juntos para gastar menos, consumir menos, arrancarle menos a la madretierra. Veamos qué es posible hacer en la escuela, en los ayuntamientos, en las organizaciones sociales del barrio y del pueblo. Nos  informemos acerca de proyectos sustentables, por ejemplo, de permacultura o de huertas orgánicas que podamos desarrollarlos en nuestra casa y en nuestra calle.

Pensemos también en proyectos de ecovillas, de comunas de transición. Organicemos el consumo en el barrio o en el pueblito propiciando compras comunitarias. Introduzcamos métodos racionales de recolección selectiva de la basura, haciendo reciclaje, utilizando el desecho orgánico. Reconozcamos las zonas inundables y adoptemos medidas de prevención. Ensayemos proyectos de relocalización de viviendas. Construyamos con materiales ecológicos. Mantegamos limpios los lugares públicos. Abramos espacios culturales que nos ayuden a crear soluciones y a crecer espiritualmente, como seres humanos y no como meros consumidores. 

Para tomar las decisiones que no toman nuestros gobernantes es necesario que nosotros tomemos el poder. Hoy la toma del poder pasa por el empoderamiento individual y grupal, por hacernos cargo del poder que tenemos y usarlo para producir el cambio. Abramos los ojos y levantemos la mirada al cielo y atendamos las señales del cosmos. Liberemos nuestro espíritu y con él liberemos los sueños. Hemos venido a este planeta a ser algo más que consumidores, votantes y comparsa de dirigentes ególatras y delirantes. Hemos venido a realizar bellos proyectos personales y comunitarios, a través de los cuales  podremos acompañar el ineludible sentido evolutivo del universo. Reinventemos la vida, nuestra propia vida. Otro mundo y otra vida son posibles. Y tú lo sabes.
________________________________________________________________________________________

|| mais informação

Eu preciso, você precisa, nós...

quarta-feira, 25 de maio de 2016



... ah, e de mais sexo
de muuuito mais SEXO

___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

Revolucionarios del tercer milenio

domingo, 22 de maio de 2016




Este es un experimento abierto impulsado por quienes propician una revolución cultural entre los seres humanos para empezar a ver toda esta existencia con una nueva mirada. Y el primer acto es esta declaración, es poner en palabras algo que ya está en el aire. Cuanto más sea leída, pensada o debatida esta declaración, más se manifestara su energía en nuestro mundo y en nuestra sociedad. Si lo que está aquí escrito resuena contigo, haz de ella tu declaración. Encuentra la forma de leerla, compartirla y ponerla en acción, en este nuevo tiempo que está llegando ahí... La transición planetaria nos lleva hacia otro mundo posible, hacia otro mundo necesario. Un mundo nuevo, una tierra nueva.  

Los Revolucionarios Culturales...

 viven, actúan y trabajan con la naturaleza y no contra ella
 saben que la vida es demasiado compleja para entenderla intelectualmente 
 construyen y apoyan a las economias locales y auto reguladas

valoran y salvaguardan la diversidad en todas sus formas
 valoran la interdependencia, ya que saben que nada es independiente
 se consideran a sí mismos iguales a todas las otras formas de vida

 protegen y apoyan la vida
 apoyan a los niños con amor incondicional
 trabajan en sí mismos en pos de una mayor toma de conciencia


Los Revolucionarios Culturales...

 saben cultivar sus propios alimentos
 aprecian su conciencia sensorial 
 celebran la vida

● conocen los principios ecológicos y los integran en sus vidas
 ven la música y la danza como parte integrante de su expresión y comunicación
 viven en una tierra animada de vida y la consideran sagrada

 cooperan
 practican un pensamiento integrador y pasan del “en vez de”  al  “también”
 comparten sus conocimientos


Los Revolucionarios Culturales...

 comprenden e integran el proceso como una forma de ser
 no se identifican con su cuerpo, pensamientos o emociones 
 ven a la mente como una herramienta
.
 perciben que no hay un “correcto” o un  “falso”
 no se identifican con una etiqueta social, con su pasado o su futuro 
 son concientes de que la esencia final de lo que son es la vida misma
.
 asumen la responsabilidad de sus emociones
 son conscientes y valoran sus relaciones tanto con los entornos vivos como con aquellos aparentemente sin vida 
 valoran e integran el saber de las mujeres

Los Revolucionarios Culturales...

 valoran e integran el saber de las culturas indígenas
 valoran un conocimiento generalista 
 son concientes que el cambio es uno de los principios fundamentales de la evolución


 trabajan en pro de la diversificación y la descentralización
 intentan participar y construir relaciones con el lugar donde viven 
 cambian de ser consumidores dependientes a ser productores responsables


 buscan formas para que sus intereses y talentos se desarrollen y extiendan
 resisten y desobedecen leyes que hacen ilegal el autogobierno, el autoaprovisionamiento, y el autosustento 
 están informados sobre el actual sistema monetario y lo identifican como una forma contemporánea de esclavitud 

Los Revolucionarios Culturales...

 identifican y boicotean las monoculturas biológicas, culturales, sociales y filosóficas
 boicotean a los monopolios de cualquier tipo
  cuestionan a cualquiera que promueva una sola e única solución


 valoran el medio ambiente y la ética humana sobre la maximización de las ganancias
 boicotean a las empresas y a los bancos que operan con fines de maximización de ganancias 
 reclaman la tierra y los bosques como bienes comunes


 reclaman el agua como un bien común
 reclaman la biodiversidad y el conocimiento como bienes comunes 
 son conscientes de que todo el tiempo participan en el proceso de co-creación
 permiten que la vida se desarrolle a través de ellos
 ___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

O fim do ego, a hora da alma

quinta-feira, 19 de maio de 2016


“Meu ego tem medo das próprias armadilhas,
criadas pelo destino de minha alma.”
- Flávia Abib -
"A base da alma está dentro, enquanto a base do ego está sempre fora.
A alma vive em constante gratidão e o ego em eterna insatisfação.
O ego nos estressa enquanto a alma nos harmoniza.
A alma é eterna e o ego passageiro.
A alma é sempre plena e o ego é sempre carente.
A alma nos inspira e o ego nos empurra.
A alma sempre apazigua e o ego perturba.
Ela se une a tudo, enquanto ele nos separa de tudo.
Ela sussurra, ele grita.
A alma ama e o ego se apaixona.
Ela nos liberta e ele nos aprisiona.
Ela nos projeta para dentro e para o alto e ele nos leva para fora e para baixo.
Ela é pleno deleite, ele um animal carente...     
                                                          

____________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

A espiritualização da vida pública

segunda-feira, 16 de maio de 2016


Karl Marx e Jesus Cristo.
*Por Jonathan Rowson 

Hoje, o sentimento popular predominante é de irrefletida confusão espiritual. Os noticiários modernos estão inundados de referências religiosas, mas o comentário sobre perspectivas, experiências e práticas espirituais mais amplas, é no geral relativamente subdesenvolvido.

O Papa, por exemplo, quando faz seus apelos para uma ação mais efetiva com relação às alterações climáticas, consegue atingir bem mais além dos fiéis católicos. Mas onde está a linguagem do medo, culpa, esperança e ameaça existencial que está subjacente à preocupação climática? Nossos bispos apelam para uma maior imaginação política para conectar nossa vida interior com aquela exterior.

Mas além das esperanças oblíquas de pensadores como Russell Brand com vistas a uma revolução no âmbito da alma, onde estão as formas e modelos de vida sugeridos que vão além da doutrina religiosa? E nós, com razão, perguntamos em que sentido o Estado Islâmico é islâmico, já que ele não parece Estado e nem islâmico. Mas podemos dar uma resposta adequada a seus atos bárbaros de violência sem uma discussão mais aberta e honesta sobre os aspectos mais sombrios da nossa própria natureza?

Fora das grandes instituições religiosas, que já não falam mais em nome da maioria das pessoas, nós não parecemos estar equipados para explorar toda a profundidade e amplitude da experiência humana. Estamos espiritualmente confusos, no sentido de que temos de lutar muito para pensar e conseguir falar coerentemente de coisas que são profundamente mais importantes para nós como, por exemplo, quem e o que amamos, o que nos dá orgulho ou sofrimento, e o fato de que fatalmente iremos morrer.

Achar que tais questões fundamentais relativas à vida são privadas, pessoais e localizadas, é precisamente o problema. Insistir nas motivações e nos valores expressos através de tais experiências e reflexões pode ser central em qualquer tentativa séria de re-orientar a sociedade. O ator Michael Sheen não está sozinho ao considerar que o alarido político que agora nos é oferecido como sendo política grande e verdadeira, é, na verdade “um pântano gelatinoso e monótono de neutralidade”.

Revitalizacão da espiritualidade
A RSA 21st Century Enlightment, uma organização que geralmente se concentra em tópicos mais convencionais de política pública, como empreendimento, educação e crescimento das cidades, reconheceu este desafio em um novo relatório chamado Spiritualise. O relatório foca nas formas de revitalizar nossa compreensão e apreciação da espiritualidade para enriquecer o debate político do século 21, resistindo aos apelos para a espiritualidade ser vista como um novo martelo em uma velha caixa de ferramentas, para acertar pregos estabelecidos na cabeça. Aqueles que são demasiadamente apressados para perguntar o que é exatamente a espiritualidade , e como exatamente ela vai ajudar a criar um novo conceito político e novas agendas políticas estão, de fato, perpetuando o problema e perdendo o foco.

A contínua negligência do espiritual na sociedade moderna não é benigna, pois ela serve para reprimir e estigmatizar recursos intelectuais que não são redutíveis a objetivos claros, definições precisas e medidas repetíveis. Reavaliar o espiritual significa precisamente desafiar a hegemonia do pensamento tecnocrático, e fazer o debate público menos instrumental em sua natureza. Uma vez que você percebe que questões de significado, o sagrado e a transcendência não são domínio exclusivo da religião, torna-se óbvio que eles devem representar uma parte maior da vida política.


Em seu texto clássico, Auto-Despertado (Self Awakened), o conceituado filósofo político Roberto Unger coloca as coisas dessa forma: "Se o espírito é um nome para as faculdades resistentes e transcendentes do agente, podemos espiritualizar a sociedade. Podemos diminuir a distância entre o que somos e o que nós encontramos fora de nós mesmos”.

A necessidade de diminuir a distância entre o que somos e o que nós encontramos fora de nós mesmos é um dos grandes desafios do momento atual que mostra porque vale a pena lutar pelo espiritual.  Tanto o termo “espiritual” como sendo algo que possui profunda relevância política,  quanto a metáfora de lutar, de reconhecer o espiritual, não são questões fáceis ou escapistas, mas sim pontos críticos importantes sobre os quais o trabalho humano deve ser aplicado.

De acordo com uma sondagem de 2013 pela organização Theos, 59 por cento dos adultos britânicos acreditam em "algum tipo de ser espiritual ou essência" e quase um quarto dos ateus "acredita em uma alma humana", mas tais valores apenas aumentam a sensação de confusão espiritual. É como se as linguagens disponíveis tivessem se tornado muito saturadas para transmitir um significado. Em parte, isso acontece porque as ferramentas de pesquisa construídas para medir e interessar a mídia são demasiado toscas para capturar as complexidades da experiência humana.

Um problema mais profundo é que a nossa noção de senso comum sobre crença como conhecimento diluído ou incompleto não capta o sentido mais rico da crença como identificação de grupo, práticas compartilhadas e afinidade por convivência. Crenças sobre valores e significados e a realidade verdadeira não são formadas ou mantidas da mesma forma como as nossas crenças sobre fatos básicos; em vez disso elas surgem de forma sutil e inconsciente a partir da osmose social e cultural.

A espiritualidade permanece ambígua
Aqueles que dizem que espiritualidade nada tem a ver com "crença" estão, portanto, apenas meio corretos, mas a espiritualidade permanece ambígua inclusive por uma boa razão. Não é um conceito unitário, mas uma placa de sinalização para uma gama de critérios; nossa busca por sentido, nosso senso do sagrado, o valor da compaixão, a experiência da transcendência, a fome por transformação.

Tais critérios são essencialmente humanos ao invés de meramente religiosos, e são buscados tanto no mundo urbanizado hiper-conectado e em constante movimento como em uma tranquila igreja de aldeia. Por exemplo, quando você considera a onipresença das armas de distração em massa, incluindo anúncios e smartphones, sendo treinados para se "reconectar com a respiração através de profunda meditação", pode perceber que isso não está aí para a gente alcançar nossa paz individual. Na verdade, trata-se do ensaio de uma guerra mais ampla para o controle da nossa atenção.

Considerado superficialmente, beber álcool é para relaxar, mas, fundamentalmente é para escapar do eu e sua incessante vibração interna. Torcer para equipes de futebol é, superficialmente, uma forma de entretenimento, mas, no fundamental, atende a uma profunda necessidade de solidariedade e de ritual. E quais são esses momentos que nós, em silêncio,  ansiamos viver, se não pedaços da transcendência?


A necessidade espiritual e de expressão é perene, mas se manifesta de acordo com o contexto histórico e cultural, e esse contexto é curiosamente cobrado no momento presente. Como investigador principal deste projeto de dois anos da RSA, notei que a simples menção da palavra espiritualidade provoca reações curiosas que podem ser lidas nas expressões faciais das pessoas, dividindo-as em três grupos principais:


1. Espirituais de mercado (Spiritual Swingers): São animados, arregalam os olhos, mas às vezes eles olham para você como quem quer e precisa de alguma ajuda. Gostam de meditação e massagens, de misticismo em ashrams e  mosteiros, adoram o luar e as técnicas de meditação de atenção plena. Estão dispostos a experimentar qualquer coisa, contanto que seja "espiritual", e de preferência não muito "religiosa".

2. Diplomatas religiosos: Olham para você calorosamente mas um tanto intrigados, porque eles não conseguem descobrir qual é a sua verdadeira motivação. Será você, no fundo, um deles? Ou você secretamente deseja substituir os métodos estabelecidos que eles já conhecem por algo sedicioso e não plenamente confiável?

3. Assassinos intelectuais: Apenas olham para você o mais educadamente possível. Seu olhar de desconforto chega a beira do desdém e são os mais rápidos a pedir a você uma definição do que é o espiritual, mas geralmente com o expresso propósito de desprezá-lo.

O desafio, no momento presente, é revitalizar o espiritual de uma forma sensata e inclusiva; madura o suficiente para manter diplomatas religiosos a bordo, sofisticada o suficiente para manter assassinos intelectuais apaziguados, e politicamente relevante para os desafios modernos relacionados a problemas "maiores do que eu" como o terrorismo ou as alterações climáticas.

No movimento Spiritualize nós nos concentramos no amor; na nossa necessidade de pertencer a algo que vá além de nós mesmos; na morte; na nossa intermitente consciência de simplesmente estarmos vivos; no Self (o Eu impessoal ou superior); no nosso caminho de individuação espiritual através da auto-integração e da auto-transcendência; na alma; no nosso  senso de integridade e transcendência, experimentado através do belo e do sublime.

O triste é que, na concepção generalizada que temos hoje de religião, temos terceirizado esses recursos sociais, culturais e psicológicos para uma agenda cripto-consumista elaborada em projetos de identidade casuais destinados exclusivamente aos "spiritual swingers". O que poucos percebem, no entanto, é que não foi esse tipo de espiritualidade comercializada que roubou a religião, mas que, enquanto a religião estava olhando para o outro lado, o consumismo roubou a espiritualidade.


Através de secularização gradual ocorrida nos séculos 18, 19 e início do 20, a sociedade removeu a religião da nossa economia política para tentar limitar o abuso de poder fora de controle democrático. Com razão, mas este processo causou alguns danos colaterais para a linguagem do valor intrínseco. Uma implicação, destacada pelo professor da Harvard Michael Sandel, é que lenta mas seguramente uma sociedade com mercado se tornou uma sociedade de mercado.

Re-conceber o espiritual tem a ver com tentar lidar com essa perda corrosiva da perspectiva, além de fornecer perspectivas mais profundas sobre como estimular a convicção necessária para lidar com problemas como as alterações climáticas e a desigualdade da riqueza global que estão claramente fora do alcance de qualquer cálculo tecnocrático.

Um exemplo deste tipo de linguagem política ficou evidente no BBC Question Time logo após o referendo da independência da Escócia. Uma das principais defensoras do Sim (à independência), a jornalista Lesley Riddoch foi questionada se era hora de aceitar o resultado final -onde a maioria optou pelo Não- e estabelecer um limite sob a questão constitucional. Ela reconheceu o resultado, mas o qualificou com uma observação que foi muito mais profunda: "O nível de ativismo, comprometimento, imaginação, amizade, camaradagem... Foi o melhor ano da minha vida; do ponto de vista da humanidade e otimismo que foi gerado. Se você foi parte disso... É tão precioso, é tão incomum, que você realmente sente que você não quer ver isso ir embora”, disse Riddoch.

Em uma sociedade que tem sido chamado de cristã, pós cristã, multi-fé, espiritualmente pluralista, secular, pós-secular e pós-religiosa, precisamos de uma discussão pública muito melhor sobre a espiritualidade que partilhamos. É hora de reorientar essa discussão longe daquilo que nunca poderemos realmente saber sobre o nosso lugar no universo, em direção ao que podemos saber, e vivenciar, sobre nós mesmos.q

___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

5 alimentos para cultivar em casa

quinta-feira, 12 de maio de 2016



Cultivar uma horta em casa pode ser mais fácil do que se imagina. Recentemente, na busca por obter produtos mais saudáveis e livres de agrotóxicos, mais e mais pessoas ao redor do mundo têm decidido plantar suas próprias verduras e hortaliças. Entre elas, celebridades como a primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, que fez sua horta ecológica assim que chegou à Casa Branca em 2009, com o objetivo de "promover uma alimentação saudável".

Mas as hortas não são apenas uma "moda" de pessoas famosas ou ricas. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês) atesta que as hortas domésticas têm representado uma "fonte cada vez mais importante de alimentos e nutrientes para as famílias pobres das zonas urbanas ou periféricas".

Além dos benefícios físicos e mentais de se cultivar uma horta, o hábito também pode ajudar as pessoas a terem uma alimentação mais saudável e a gastar menos dinheiro. Aqui uma lista com os vegetais mais fáceis de cultivar em casa e os benefícios que eles podem trazer à saúde:

Pimentas
A melhor época para plantar essa hortaliça, que é nativa da América Central e do Sul, é a primavera, porque ela é sensível ao frio.Para cultivá-la, é preciso ter um terreno com bastante sol e plantar as sementes a uma profundidade entre 40 e 50 milímetros. É preciso também regá-la constantemente.

As pimentas verdes, vermelhas e amarelas contêm nutrientes como ácido fólico, tiamina e manganês e são ricos em fibras e em vitaminas C e B6. Também contêm uma substância que se chama capsaicina e têm efeitos analgésicos.

Espinafre
Tanto o espinafre, como a couve e o brócolis são relativamente fáceis de plantar em casa. No caso do espinafre, é possível cultivá-lo em pequenas hortas, separadas por 30cm de distância entre si ou espalhando as sementes em vasos.Ele prefere os solos ricos e úmidos, ainda que possa crescer em qualquer tipo de solo, com tanto que haja matéria orgânica suficiente. Esse é o tipo de planta que não precisa de muito calor, nem de muito sol.


É um alimento muito recomendado por causa de seu alto valor nutritivo, ainda que não se aconselhe o consumo exagerado, porque o ácido oxálico em excesso pode causar cálculo renal. Espinafres têm muitas propriedades nutritivas, mas não podem ser consumidos em excesso.

No entanto, o espinafre tem muitas propriedades e é um bom anti-inflamatório. Traz benefícios neurológicos e ajuda a regular a pressão arterial e a melhorar o metabolismo. Além de ser muito duradouro – pode sobreviver a todo o inverno para ser consumido na primavera.


Tomates
Essa fruta originária do Equador, Peru e norte do Chile – e que consumimos como hortaliça – é um dos alimentos mais fáceis de plantar e é comum ser o ponto de partida dos iniciantes na aventura de ter uma horta em casa.

A diferença de sabor entre um tomate cultivado em casa e um que veio do supermercado pode ser gigantesca. As vantagens do tomate para a saúde estão na quantidade de nutrientes, como potássio e fósforo, assim como antioxidantes e vitaminas A, C e E.


De acordo com um estudo recentemente publicado na revista especializada Medical News Today, é um alimento "funcional" já que, além de sua função nutritiva, beneficia o organismo, prevenindo doenças crônicas, como problemas do coração, diabetes e câncer.

Os especialistas aconselham a cultivar a planta em um lugar com bastante luz e a regá-la em pequenas quantidades, algumas vezes por semana. É importante plantar o tomate em solo profundo, porque ele desenvolve raízes grandes e extensas. As folhas mais próximas do solo são mais propensas a contaminações, então devem ser eliminadas regularmente.

Cenouras
Outra hortaliça muito fácil de cultivar e com altas propriedades nutritivas é a cenoura. Neste caso, o mais importante é manter a umidade da terra – quando elas começarem a crescer, já é possível diminuir a frequência de regar o solo.

As cenouras são ricas em vitamina A, antioxidantes e fibras. Costuma-se dizer que "comer cenoura faz bem para a vista", mas ela também fortalece os dentes e as gengivas, ajuda a combater a constipação e revigora mentes cansadas. A cenoura pode ser plantada ao longo de todo o ano e cresce sem grandes dificuldades.

Ervilhas
As ervilhas concentram muitos minerais – potássio, fósforo, cálcio, ferro – fibras, açúcares, hidratos de carbono e proteínas, além de vitamina A.

É um alimento indicado para diabéticos e ajuda a eliminar o colesterol. Também tem um efeito tranquilizante muito benéfico para o sistema nervoso e para ajudar a dormir bem.


Elas podem ser cultivadas principalmente no outono, em um clima fresco, sem muito calor, e se adaptam bem a todos os tipos de solo. Além de seus benefícios alimentares, as ervilhas também melhoram a qualidade do solo, já que elas fixam o nitrogênio na terra.q

|| Via BBC Brasil
___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

42 anos de vegetarianismo na escola

segunda-feira, 9 de maio de 2016




O comer carne é a sobrevivência da maior brutalidade. 
A mudança para o vegetarianismo 
é a primeira consequência natural da iluminação”. 
Leon Tolstoy
-------------------------------------------------             -------------------------------------------------

cardápio da semana está afixado na Secretaria: bife de seitan (carne de glúten) no forno com batata assada, sopa, salada, pão e fruta é o menu de sexta-feira. Os mais pequeninos do pré-escolar do Colégio Adventista de Oliveira do Douro, em Vila Nova de Gaia, Portugal, chegam para o almoço. As funcionárias ajudam na hora da refeição, alguns trazem comida de casa. Há quem traga arroz com cogumelos, arroz com feijão preto, rissóis vegetarianos. Nada do que chega ao estômago é imposto, mas salienta-se os benefícios de uma alimentação sem carne ou peixe.

A esta cantina chega fruta do pomar ali ao lado e produtos de hortas comunitárias a dois passos do colégio. Fritos apenas uma ou duas vezes por mês, no máximo. Organizam-se seminários para falar do valor nutricional dos alimentos e mostrar como se confecciona uma refeição sem carne nem peixe. Há campanhas para consumir menos doces e mais fruta. E quando se fala na roda dos alimentos, lembra-se que também existe a pirâmide da comida vegetariana, que coloca os cereais na base, frutas e legumes no mesmo patamar, gorduras vegetais no topo e inclui, na lateral da pirâmide, o exercício físico e a água.

Uma reportagem do jornal Público, de Portugal, revela que há 42 anos, desde a existência da escola, que esta cantina só se serve comida vegetariana, ou melhor, ovolactovegetariana porque são usados ovos, leite, sobretudo de soja, e seus derivados. A filosofia adventista recomenda este tipo de alimentação e, portanto, o recente alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o consumo de carnes processadas e de carnes vermelhas, como “provavelmente” cancerígenos, não provocou qualquer alteração no dia-a-dia.

Dos 150 alunos, do pré-escolar ao 9.º ano, 70% não são adventistas e nem todos os adventistas são vegetarianos. A escolha é de cada um. Por dia são servidos entre 70 a 80 almoços na cantina. Dinis Vasconcelos tem quatro anos, não é adventista, e é parcialmente vegetariano. Quis trazer comida de casa para experimentar e a mãe preparou-lhe arroz com açafrão, cenoura, tomate. A irmã Catarina Vasconcelos tem nove anos, anda no 4.º ano, também é parcialmente vegetariana e vai almoçar rissóis de queijo e tomate e tarte de coco à sobremesa. “Desde pequenina que como diferente, já estou habituada”, diz Catarina.


Beatriz Pinhel tem 14 anos e frequenta o colégio desde os três. Há 11 anos que, no período escolar, os seus almoços são vegetarianos. Já se habituou, não há qualquer problema. Beatriz não é vegetariana, nem adventista. “Apenas como pratos vegetarianos na escola”, revela, garantindo que é fácil habituar-se às diferenças. Lá em casa já prefere carnes brancas, de vez em quando entra bife de vaca, e os pais gostam de saber o que almoça na escola para diversificar ao jantar. Beatriz aprecia lasanha vegetariana e destaca os benefícios dos almoços. 

“Esta alimentação ajuda-nos a ser mais saudáveis, ganhamos mais energia e ajuda-nos na concentração”. Mais energia, como assim? “Quem consome mais carne e fast-food tem tendência a não querer praticar exercício físico”, responde. Milânio Azevedo, com 15 anos e no 7º ano, é um dos 13 alunos internos do colégio. Chegou há três anos de Angola, é adventista, e 90% vegetariano. “Sinceramente, não sinto saudades da carne. Esta alimentação vegetariana é saudável e permite viver mais tempo”, observa. As saudades são “da comida da terra”, de Angola. 

“A nossa preocupação é a promoção da saúde”, adianta o diretor do colégio, Samuel de Abreu, vegetariano e adventista. Os adventistas defendem uma educação holística, em que uma alimentação mais saudável e sustentável é importante. Ter um cardápio sem carne nem peixe é uma coisa natural: “É endêmico, faz parte da nossa natureza enquanto escola”. Alimentação saudável em nome do bem-estar físico e também psicológico. “O bem-estar físico é fundamental para o desenvolvimento de outras competências”, refere. 

O colégio tem as portas abertas a todos os alunos e não fez estudos que permitam aferir se esta dieta tem implicações no desempenho escolar. “Não podemos dizer isso, não excluímos ninguém, trabalhamos com todos”. Mas ali, à mesa da refeição, alguém lembra que a turma do 9.º ano que há dois anos frequentou o colégio ficou, no mais recente ranking das escolas, em segundo lugar em Vila Nova de Gaia e em 28.º a nível nacional.

Escondidinho gostoso e facílimo

___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO