42 anos de vegetarianismo na escola

segunda-feira, 9 de maio de 2016




O comer carne é a sobrevivência da maior brutalidade. 
A mudança para o vegetarianismo 
é a primeira consequência natural da iluminação”. 
Leon Tolstoy
-------------------------------------------------             -------------------------------------------------

cardápio da semana está afixado na Secretaria: bife de seitan (carne de glúten) no forno com batata assada, sopa, salada, pão e fruta é o menu de sexta-feira. Os mais pequeninos do pré-escolar do Colégio Adventista de Oliveira do Douro, em Vila Nova de Gaia, Portugal, chegam para o almoço. As funcionárias ajudam na hora da refeição, alguns trazem comida de casa. Há quem traga arroz com cogumelos, arroz com feijão preto, rissóis vegetarianos. Nada do que chega ao estômago é imposto, mas salienta-se os benefícios de uma alimentação sem carne ou peixe.

A esta cantina chega fruta do pomar ali ao lado e produtos de hortas comunitárias a dois passos do colégio. Fritos apenas uma ou duas vezes por mês, no máximo. Organizam-se seminários para falar do valor nutricional dos alimentos e mostrar como se confecciona uma refeição sem carne nem peixe. Há campanhas para consumir menos doces e mais fruta. E quando se fala na roda dos alimentos, lembra-se que também existe a pirâmide da comida vegetariana, que coloca os cereais na base, frutas e legumes no mesmo patamar, gorduras vegetais no topo e inclui, na lateral da pirâmide, o exercício físico e a água.

Uma reportagem do jornal Público, de Portugal, revela que há 42 anos, desde a existência da escola, que esta cantina só se serve comida vegetariana, ou melhor, ovolactovegetariana porque são usados ovos, leite, sobretudo de soja, e seus derivados. A filosofia adventista recomenda este tipo de alimentação e, portanto, o recente alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o consumo de carnes processadas e de carnes vermelhas, como “provavelmente” cancerígenos, não provocou qualquer alteração no dia-a-dia.

Dos 150 alunos, do pré-escolar ao 9.º ano, 70% não são adventistas e nem todos os adventistas são vegetarianos. A escolha é de cada um. Por dia são servidos entre 70 a 80 almoços na cantina. Dinis Vasconcelos tem quatro anos, não é adventista, e é parcialmente vegetariano. Quis trazer comida de casa para experimentar e a mãe preparou-lhe arroz com açafrão, cenoura, tomate. A irmã Catarina Vasconcelos tem nove anos, anda no 4.º ano, também é parcialmente vegetariana e vai almoçar rissóis de queijo e tomate e tarte de coco à sobremesa. “Desde pequenina que como diferente, já estou habituada”, diz Catarina.


Beatriz Pinhel tem 14 anos e frequenta o colégio desde os três. Há 11 anos que, no período escolar, os seus almoços são vegetarianos. Já se habituou, não há qualquer problema. Beatriz não é vegetariana, nem adventista. “Apenas como pratos vegetarianos na escola”, revela, garantindo que é fácil habituar-se às diferenças. Lá em casa já prefere carnes brancas, de vez em quando entra bife de vaca, e os pais gostam de saber o que almoça na escola para diversificar ao jantar. Beatriz aprecia lasanha vegetariana e destaca os benefícios dos almoços. 

“Esta alimentação ajuda-nos a ser mais saudáveis, ganhamos mais energia e ajuda-nos na concentração”. Mais energia, como assim? “Quem consome mais carne e fast-food tem tendência a não querer praticar exercício físico”, responde. Milânio Azevedo, com 15 anos e no 7º ano, é um dos 13 alunos internos do colégio. Chegou há três anos de Angola, é adventista, e 90% vegetariano. “Sinceramente, não sinto saudades da carne. Esta alimentação vegetariana é saudável e permite viver mais tempo”, observa. As saudades são “da comida da terra”, de Angola. 

“A nossa preocupação é a promoção da saúde”, adianta o diretor do colégio, Samuel de Abreu, vegetariano e adventista. Os adventistas defendem uma educação holística, em que uma alimentação mais saudável e sustentável é importante. Ter um cardápio sem carne nem peixe é uma coisa natural: “É endêmico, faz parte da nossa natureza enquanto escola”. Alimentação saudável em nome do bem-estar físico e também psicológico. “O bem-estar físico é fundamental para o desenvolvimento de outras competências”, refere. 

O colégio tem as portas abertas a todos os alunos e não fez estudos que permitam aferir se esta dieta tem implicações no desempenho escolar. “Não podemos dizer isso, não excluímos ninguém, trabalhamos com todos”. Mas ali, à mesa da refeição, alguém lembra que a turma do 9.º ano que há dois anos frequentou o colégio ficou, no mais recente ranking das escolas, em segundo lugar em Vila Nova de Gaia e em 28.º a nível nacional.

Escondidinho gostoso e facílimo

___________________________________________________________________________
Que achou você desse post? Clique abaixo, no link COMENTÁRIOS e deixe sua palavra...

|| MAIS INFORMAÇÃO

0 COMENTÁRIOS :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...