El nuevo año maya 2016-2017

terça-feira, 26 de julho de 2016



* Por Ingrid de Manuel Guasch

Hoy, 26 de julio de 2016, comienza el nuevo año del Calendario Maya Haab de 365 días. Este es el año Tormenta Espectral Azul. Iniciamos así un nuevo ciclo solar de 13 lunas sincronizadas con un propósito anual que inspiran un trabajo personal y comunitario. Un nuevo año codificado con la energía de la Tormenta 11-Espectral Azul, símbolo de Purificación y Transformación para ser capaces de aprender a auto-gestionarnos en el plano emocional y salir ilesos de aquellas situaciones tormentosas que nos creamos.

Cuando hablamos de tormenta nuestra percepción nos abre a un concepto diferente en función de nuestro estado de ánimo, dependemos absolutamente de la circunstancia temporal que estamos viviendo para definir lo que sentimos y vemos. Siendo así podemos explicar una tormenta de infinitas maneras, algunas serán positivas y en otros casos negativas, influenciados por lo que vivimos.

La tormenta limpia, regenera y vitaliza la tierra y el aire que respiramos, da de beber a la naturaleza y refresca nuestra mente. También nos da miedo, destruye y nos deprime, creando incomodidad y tristeza. Es la energía que nos muestra nuestra vulnerabilidad, poniendo a prueba nuestra fortaleza interior para consolidar el proceso de transformación necesario en aquellas actitudes, emociones y estructuras que nos desbordan.

  • Cuando la actitud no es correcta perdemos nuestro centro y entramos en un sinfín de excusas basadas en la crítica, el juicio y la culpabilidad debido a que nuestra mirada está puesta en el exterior, en las circunstancias que vivimos para sabotear nuestra capacidad de superación y así auto-convencernos de que nuestro estado es aceptable. Nos atormenta y a la vez nos complace sentirnos víctimas y fuera de toda responsabilidad.
  • Cuando la emoción nos supera despierta en nosotros la rabia y la impotencia de la falta de control personal, llevándonos a estados de crisis y depresión difíciles de gestionar. En estos momentos necesitamos desatar la tormenta porque en nosotros ya no cabe más sufrimiento, volcamos nuestra negatividad en otros para sentirnos menos infelices y aliviados, creando destrucción a nuestro alrededor.
  • Cuando nuestras estructuras no funcionan buscamos problemas aquí y allá, mentimos, manipulamos y jugamos siempre a nuestro favor sin tener en cuenta a nadie ni nada para sentirnos a salvo y darnos la razón. Cerramos la puerta a la rendición y nos aferramos a posiciones rígidas, en donde no somos capaces de sentir debido a la propia negación de saber la verdad.
Actitud, emoción y pensamiento nos atrapan en un bucle de auto-destrucción, en donde nada cambia si no somos capaces de tomar consciencia del efecto que esta energía es capaz de producir en nosotros. Para reencontrarse con la sintonía amable de la tormenta, primero debemos entenderla en nosotros para poder darle la vuelta y comprender que lo que en primera instancia puede parecer negativo en realidad, es lo mejor que nos puede pasar.

Para ello la Madre Tierra nos ofrece el modelo perfecto para situar nuestra mirada, de ella podemos aprender la importancia de fluir con el transcurso natural de los acontecimientos y así permitir que el poder de la tormenta nos ayude a movilizar, transformar y renovar nuestra vida. Encontrarla en nosotros es el trabajo de este nuevo ciclo, aprender a usarla conscientemente el objetivo.

Dejar de sabotearnos y empezar a amarnos
La maestría de la transformación de la tormenta requiere de la maestría del amor hacia nosotros mismos, no existen la una sin la otra. El problema reside en perder el control de nuestras emociones y es por ello que nos dedicamos a gobernar y sabotear a los demás por miedo a sentirnos vulnerables.

Es una medida de protección que usamos para esconder el poco amor que nos damos, dándonos permiso para decir cosas que no queremos decir y hacer cosas que no queremos hacer, reprimiendo así nuestras verdaderas emociones que provocan la pérdida del control sobre nosotros mismos. Desatamos la tormenta.

Por lo que la maestría del amor es necesaria y más en estos tiempos que corren, en donde nuestro mayor miedo es el de sentirnos vivos y abiertos de mente y corazón. Un año para permitimos el amor y ser los creadores de nuestra propia transformación, para sentir como a través de la alegría y la magia llega con facilidad a nuestras vidas todo aquello que necesitamos, en el momento que somos capaces de liberar nuestro espíritu para que se mueva libremente.

De esta manera nos convertimos en esencia femenina y creadora, la fuente de la que todo emana y todo lo sustenta, el equilibrio armonioso y natural del fluir vital de todos los seres vivos. A lo largo de este ciclo ésta es la búsqueda, encontrar ese espacio interno que contiene el alimento energético que nuestro corazón necesita para mantenerse abierto y así ser capaces de crear las mejores condiciones para que nuestra alma pueda realizarse aquí en la Tierra.

Por lo que es momento de dejar de sabotearnos para empezar a querernos, momento para sentirnos fuente sagrada de vida aquí en la tierra, un don maravilloso por el que deberíamos estar agradecidos. La maestría del amor requiere de toda nuestra atención, una actitud de humildad en donde honramos la vida como fuente inagotable de luz, consciencia y amor, desde el corazón abierto a sentir la verdadera alegría de estar vivos.

Un texto maya nos recuerda que del agua emana la vida; el primer alimento es el líquido vital: la leche materna o agua, el líquido amniótico en donde maduran los animales y los humanos, la savia de las plantas que nacen de la unión de agua + tierra, el calostro, la sangre como sustento liquido de los organismos.

El movimiento del agua es la danza originaria de la vida, su purificación es la liberación originaria de la vida en sus diversas manifestaciones, nos comunica y nos orienta para sintonizarnos con los ciclos y el amor a la vida. Para fluir hay que aceptar y la aceptación es la actitud flexible del tándem mente-corazón delante de las circunstancias que vivimos. Aceptamos para entender y comprender que todo tiene su cauce, su ritmo natural y esto es Sagrado.

Feliz ciclo.

___________________________________________________________________________________________

|| mais informação


A fuga do consumismo

domingo, 24 de julho de 2016



Consumir menos, buscar alternativas e viver apenas com o necessário. Essa é a tendência que vem crescendo entre os jovens que começam a dar conta do recado do Movimento Lowsumerism: o processo de autodestruição causado pelo consumismo só poderá ser freado por meio de um profundo despertar de nossa consciência.

É ingênuo acreditar que hábitos individuais não interferem na vida de mais ninguém. Lowsumerism (baixo consumo) é um movimento que deve ser colocado em prática com urgência: o consumismo é um comportamento ultrapassado do qual logo sentiremos vergonha.

Mas o que isso significa na prática? Como ser mais consciente e consumir menos? Como esse comportamento pode ser viável em uma sociedade dominada por indústrias e marcas? As respostas vêm em camadas, são compostas por microtendências que levam a uma macrovisão da vida contemporânea.

A tendência é que, nos próximos anos, o mercado abrace esta mentalidade e assuma o papel de requalificar o desejo do consumidor, deixando-o menos associado ao excesso. O consumidor, cada vez mais consciente, abraçará as alternativas de novos modelos mercadológicos capazes de atender às suas necessidades e vontades de uma maneira menos nociva. Quer saber mais? Dê uma olhada nesse vídeo...



_______________________________________________________________________________

|| mais informação


Diferencias

domingo, 17 de julho de 2016



"Vocês riem de mim 
por eu ser diferente, 
e eu rio de vocês 
por serem todos iguais".

_____________________________________________________________________________________

Negócios com novo espírito

segunda-feira, 11 de julho de 2016



* Por Marina Colerato

Desde a Revolução Industrial, no final do século 19, somos bombardeados com a mensagem de que para sermos pessoas felizes, bem sucedidas e plenas, devemos comprar os signos semióticos responsáveis por garantir esses endossos capitalistas — carros, roupas, joias, celulares, etc. Fomos programados para acreditar que a felicidade reside no ter.

Porém esse cenário está mudando a partir desta própria percepção, que dá lógica ao consumo consciente. O lowsumerism indica uma sociedade questionadora que busca novas formas de se relacionar com o mundo contemporâneo.

Com esta consciência, renova-se a busca pela espiritualidade. Nos últimos anos, um momento coletivo de maior introspecção promove um olhar menos egoísta e menos autocentrado, capaz de enxergar a nossa relação com o mundo e com as pessoas de maneira mais integrada.

Na abundância frenética de conexão da nossa sociedade, há igualmente desconexão. Sem perceber, desconectamos de tudo — família, amigos, sociedade, meio ambiente, de nós mesmos, daquilo que entende-se como deus ou universo.

A busca contemporânea pela espiritualidade é observada em hábitos cotidianos: a popularização do yoga-at-your-desk, a ascensão do veganismo e da paz intestinal, a valorização da medicina integrativa… São práticas que promovem, acima de tudo, autoconhecimento; estão distantes de dogmas e mais próximas do “verdadeiro eu”.

São possibilidades de satisfação que conduzem a uma vida sem as amarras sociais e culturais propostas pelo consumismo. Bens de consumo não são suficientes para que nos identifiquemos como pessoas, de maneira completa e verdadeira, e essa percepção é cada vez mais tangível. Afinal, quanto mais possuímos, mais infelizes ficamos.

Por que agora?
O interesse do Ocidente pela espiritualidade não é novo. Desde os anos 1960, a cultura pop dissemina filosofias orientais como o budismo e seus ensinamentos milenares. Nos anos 1970, a espiritualidade foi uma das forças que potencializaram os movimentos feministas, raciais e ecológicos.

Na filosofia moderna, Soren Kierkegaard, Jean-Paul Sartre e Martin Heidegger afirmam que o Ser constrói-se a cada ação. Para os existencialistas, não nascemos com uma finalidade definida: estamos constantemente em busca de um propósito para preencher o vazio desta falta de finalidade da existência.

Hoje, entre incertezas políticas e econômicas, queda da confiança na governabilidade e ascensão dos movimentos sociais contra a maré do conservadorismo, cresce a noção de que não nascemos apenas para pagar contas e morrer.

A sociedade passa a se direcionar a um caminho de questionamento em busca de respostas mais satisfatórias. Essa consciência espiritualizada está vinculada à busca por um propósito maior.

“A árdua tarefa de compor uma vida 
não pode ser reduzida a adicionar episódios agradáveis. 
A vida é maior que a soma de seus momentos.” 
- Zygmunt Bauman -

É por meio dessa busca do propósito que dê sentido à existência que, aos poucos, práticas espirituais ganham mais espaço na vida das pessoas. O precioso tempo passa a ser gasto com um encontro consigo próprio em busca de autoconhecimento. Ioga e meditação nunca foram tão populares. Retiros espirituais, como o de Piracanga, tornam-se os novos destinos de desejo. A vida cosmopolita e agitada, cheia de shoppings, lojas, bares e baladas, começa a parecer menos interessante do que uma casa sustentável em uma ecovila.

Propósito no mercado de trabalho
Ser feliz, para o “eu” espiritualizado, está ligado a colaborar com a felicidade dos outros e com a construção de um mundo melhor. Pessoas com propósitos altruístas, em busca de um mundo bom para todos, olham para além de si e se posicionam como agentes transformadores: amplificam seus valores no mundo dos negócios com questionamentos sobre as fronteiras entre trabalho, diversão e agente social.

Pessoas que encontraram seu propósito maior dão luz a empresas que inspiram mudanças com objetivos que estão além do lucro financeiro. São iniciativas que colocam em xeque a unanimidade do sistema econômico atual com alternativas como capitalismo consciente, economia solidária, negócios sociais, economia colaborativa, economia sustentável e pós-capitalismo.


Podemos concluir, então, que o encontro com o “eu” e com um propósito maior a partir do autoconhecimento proposto pela espiritualidade, ou a necessidade latente de preencher um espaço agora vazio, antes ocupado por bens de consumo, é capaz de subverter a ordem dos tempos líquidos, cujas premissas são insolidez e fugacidade. Os novos propósitos escapam à logica do capitalismo e sugerem um estilo de vida mais inclusivo e menos focado em acúmulo de capital.

“Não busque satisfação nos meios materiais ou desejos oriundos. Busque a Bem-aventurança pura, indestrutível e incondicional dentro de você, e você terá achado a Alegria sempre-nova.” — Paramahansa Yogananda, fundador da Self-Realization Fellowship.

A era em que vivemos nos convida a instaurar novas, e mais conectadas, maneiras de viver em sociedade. Da próxima vez que fizer uma compra ou fechar um negócio, questione-se sobre o propósito daquela ação e se ela traduz as verdades da sua alma e espírito.q


* Marina Colerato é escritora, interessada em movimentos sociais. É fundadora da plataforma de comunicação Modefica. Acredita no poder da informação e do autoconhecimento como forma de empoderamento individual e, consequentemente, social. 

|| Via Ponto Eletrônico
____________________________________________________________________________________________

|| mais informação

Caldinhos para amenizar o inverno

segunda-feira, 4 de julho de 2016


Caldos quentes para o frio do inverno

“ Feliz seria a terra se todos os seres estivessem unidos 
pelos laços da benevolência e só se alimentassem de alimentos puros, sem derrame de sangue. Os dourados grãos que nascem para todos dariam para alimentar e dar fartura ao mundo. 
Buda
-------------------------------------------------             -------------------------------------------------

O inverno do hemisfério sul já está aqui e teremos muitos dias e muitas noites frias pela frente. As temperaturas baixas serão sentidas especialmente pelos que vivem ao sul do trópico de Capricórnio. Nessas horas sentiremos falta de um alimento quente e nutritivo. Por isso, preparar receitas de caldos vegetarianos no dia a dia é uma ótima opção. Além de esquentar e alimentar, esse tipo de comida traz inúmeros benefícios. Em nosso cardápio desta Segunda Sem Carne temos dois deliciosos caldinhos: um de abóbora e outro de ervilha. Para você valorar quanto de bom pode resultar estas receitas, a nutricionista Tanara Stumpf Trenz nos brinda com interessantes dicas sobre as qualidades dos dois caldos. E ainda você vai conferir que são muito simples de fazer.

Caldo de abóbora
Segundo Tanara, a abóbora possui baixa quantidade de calorias, além de ser uma boa fonte de fibras, vitaminas e minerais. O vegetal contém fito nutrientes que mantêm a saúde da pele e ajudam a impedir os malefícios causados pela luz solar. Ainda tem ação anti-inflamatória, ajuda a reduzir problemas renais, melhora os níveis de triglicerídeos e auxilia também quem sofre de constipação intestinal. A abóbora tem efeito laxante e é depuradora de tóxicos intestinais que elevam a pressão arterial. Facílimo de preparar, vai aqui a simples receita para começar a experimentar logo:

Caldos quentes para o frio do inverno
Ingredientes:
- 3 xícaras de abóboras em cubos com casca
- ¼ de cebola
- ½ dente de alho
- ¼ xícara de azeite de oliva
- 1 colher (sopa) de mel
- 1 colher (sopa) de shoyu
- 1 colher (sopa) de suco de limão
- Ovos picados a gosto
- Salsinha e cebolinha a gosto

Modo de preparo:
Cozinhe a abóbora em cubos em 800ml de água. Depois de cozinhar, junte 200ml do caldo com a cebola, o alho, o azeite, o mel, o shoyu e o limão no liquidificador. Triture até obter uma consistência de creme.

Quando estiver na consistência desejada, acrescente a abóbora e coloque mais 100ml da água do cozimento. Misture o sal, ovos, salsinha e cebolinha conforme o gosto.

Caldo de ervilha
Para fazer receitas de caldos, a ervilha é uma ótima opção. A nutricionista explica que além de ser pouco calórico, esse grão é um poderoso antioxidante, ou seja, combate os radicais livres responsáveis pelo ataque celular e, consequentemente, o envelhecimento precoce.

Esse grão contém sais minerais como cálcio, fósforo, ferro e potássio, além do enxofre, substâncias responsáveis pela formação dos tecidos. A ervilha ainda é rica em proteína de origem vegetal, vitamina A (importante para formação óssea), vitamina K (que ativa a absorção de cálcio), vitaminas do complexo B (que contribuem para produção de energia) e vitamina C (antioxidante natural que contribui para os processos de cicatrização).

Caldos quentes para o frio do invernoAlém de possuir ácido fólico (substância importante para a formação de novas células e funcionamento do sistema nervoso), o grão também é rico em fibras solúveis, que vão controlar o colesterol e a liberação de açúcar no sangue, além de diminuir a absorção de gordura ruim. Confira a receita:


Ingredientes:
- 500 g de ervilha seca
- 1/2 cebola picada
- 2 dentes de alho espremidos
- 2 colheres (chá) de azeite de oliva

Modo de preparo:
Lave a ervilha e deixe-a de molho por cerca de duas horas. Em uma panela de pressão, cozinhe a cebola, o alho e a ervilha por cerca de 20 minutos. Retire o grão cozido da panela, tempere com sal e ervas e  bata no liquidificador. Coloque em uma tigela e sirva.
____________________________________________________________________________________________

|| mais informação