Postulados para entender el Vivir Bien

sexta-feira, 25 de maio de 2018



Sumak Kawsay es una palabra quechua referida a la cosmovisión ancestral de la vida. Desde finales del siglo XX es también una propuesta política desarrollada principalmente en Ecuador y Bolivia. En Ecuador se ha traducido como "Buen vivir" aunque expertos en lengua quechua coinciden en señalar que la traducción más precisa sería la vida en plenitud.​ En Bolivia la palabra original en aimara es Suma Qamaña que se ha traducido como "Vivir bien".

En su significado quechua original, sumak hace referencia a la realización ideal y hermosa del planeta, mientras que kawsay significa "vida", una vida digna, en plenitud. Existen nociones similares en otros pueblos indígenas, como los Mapuche (Chile), los Guaraníes de Bolivia y de Paraguay que hablan, respectivamente, de sus teko kavi (vida buena) y tekó porä (buen vivir o buen modo de ser), los Achuar (Amazonía ecuatoriana) pero también en la tradición Maya (Guatemala, México) o entre los Kunas (Panamá).

Desde la última década de 1990 el Sumak Kawsay se desarrolla como una propuesta política que busca el "bien común" y la responsabilidad social a partir de su relación con la Madre Naturaleza y el freno a la acumulación sin fin, que surge como alternativa al desarrollo tradicional.​ El "buen vivir" plantea la realización del ser humano de manera colectiva con una vida armónica sustentada en valores éticos frente al modelo de desarrollo basado en un enfoque economicista como productor de bienes de valores monetarios.

Los siguientes son algunos de los principios más destacados del Vivir Bien:

  • Priorizar la vida. Buscar la vivencia en comunidad, donde todos los integrantes se preocupan por todos. Lo más importante no es el humano (como plantea el socialismo) ni el dinero (como postula el capitalismo), sino la vida misma, expresada en los reinos animal, mineral, vegetal que interactúan entre sí. Se pretende buscar una vida más sencilla, en armonía con la naturaleza.
  • Respetar las diferencias. Vivir Bien es respetar al otro, saber escuchar a todo el que desee hablar, sin discriminación o algún tipo de sometimiento. No se postula la tolerancia, sino el respeto, ya que aunque cada cultura o región tiene una forma diferente de pensar, para vivir bien y en armonía es necesario respetar esas diferencias. Esta doctrina incluye a todos los seres que habitan el planeta, como los animales y las plantas.Vivir Bien es respetar las semejanzas y diferencias entre los seres que viven en el mismo planeta. Este planteamiento se traduce en que los seres sean semejantes o sean diferentes jamás deben lastimarse.
  • Vivir en complementariedad. Priorizar la complementariedad, que postula que todos los seres que viven en el planeta se complementan unos con otros. En las comunidades, el niño se complementa con el abuelo, el hombre con la mujer, etc. El hombre no debe matar a las plantas ni a los animales, porque ellos complementan su existencia y ayudan a que aquél sobreviva. Llevar una vida de equilibrio basada en la armonía del hombre con el resto de la naturaleza de la cual él hace parte, con el objetivo de construir una sociedad con equidad y sin exclusión.
  • Llegar a acuerdos en consenso. Buscar, siempre, el consenso entre todos, lo que implica que aunque las personas tengan diferencias, al momento de dialogar se llegue a un punto neutral en el que todas coincidan y no se provoquen conflictos.
  • Defender la identidad. Vivir Bien es valorar y recuperar la identidad. Dentro del nuevo modelo, la identidad de los pueblos es mucho más importante que la dignidad. La identidad implica disfrutar plenamente una vida basada en valores que se han resistido por más de 500 años (desde la conquista española) y que han sido legados por las familias y comunidades que vivieron en armonía con la naturaleza y el cosmos.
  • Priorizar derechos cósmicos. Vivir Bien es dar prioridad a los derechos cósmicos antes que a los Derechos Humanos. El cosmos, el planeta, la naturaleza están desde antes de la aparición de los seres humanos quienes son apenas una porción microscópica del universo.   
  • Saber comer. Alimentarse con sabiduría, saber combinar las comidas adecuadas a partir de las estaciones del año (alimentos según la época). Esta consigna debe regirse en base a la práctica de los ancestros que se alimentaban con determinados productos durante toda una estación, aceptando la sabia orientación de la misma naturaleza. 
  • Saber beber. Beber alcohol con moderación. En las comunidades indígenas cada fiesta tiene un significado y el alcohol está presente en la celebración, pero se lo consume sin exagerar o lastimar a nadie. 
  • Saber danzar. Danzar no es simplemente bailar. La danza se relaciona con algunos hechos concretos como la cosecha o la siembra. Las comunidades continúan honrando con danza y música a la Pachamama, principalmente en épocas agrícolas.
  • Saber trabajar. Considerar el trabajo como fiesta, como motivo de felicidad. A diferencia del capitalismo donde se paga para trabajar, el Vivir Bien retoma el pensamiento ancestral de entender el trabajo como una actividad jubilosa y una forma de crecimiento personal -por eso en las culturas indígenas se trabaja desde pequeño.    

  • Retomar el Abya Yala. Promover que los pueblos se unan en una gran familia. Esto implica que las regiones de cada país se reconstituyan en lo que ancestralmente se consideró como una gran comunidad. Abya Yala es el nombre dado al continente americano por el pueblo Kuna de Panamá y Colombia antes de la llegada de Cristóbal Colón y los europeos. Literalmente significaría tierra en plena madurez o tierra de sangre vital.
  • Reincorporar la agricultura. Vivir Bien es reincorporar la agricultura a las comunidades. Parte de las nuevas doctrinas es recuperar las formas de vivencia en comunidad, como el trabajo de la tierra, cultivando productos para cubrir las necesidades básicas para la subsistencia. 
  • Saber comunicarse. Se pretende retomar la comunicación que existía en las comunidades ancestrales, donde el diálogo era herramienta clave para la buena comunicación, resolviendo así las divergencias sin que se presenten conflictos.
  • Trabajar en reciprocidad. En los pueblos indígenas esta práctica se denomina ayni, que no es más que devolver en trabajo la ayuda prestada por una familia en una actividad agrícola, como la siembra o la cosecha. 
  • No robar y no mentir. Vivir Bien es basarse en el ama sua y ama qhilla (no robar y no mentir, en quechua ). Este precepto de elemental ética es de fundamental cumplimiento dentro de las comunidades para lograr el bienestar y confianza entre sus habitantes. 
  • Proteger las semillas. Guardar bajo protección las semillas para que en un futuro se evite el uso de productos transgénicos. Una de las características de este nuevo modelo es el de preservar la riqueza ancestral agrícola con la creación de bancos de semillas que eviten la utilización de transgénicos para incrementar la productividad, porque esta mezcla con químicos daña y acaba con las semillas milenarias.
  • Respetar a la mujer. La mujer representa a la Pachamama, que es la Madre Tierra que tiene el poder de dar vida y cuidar a todos sus frutos. Por estas razones, dentro de las comunidades, la mujer es valorada y está presente en todas las actividades orientadas a la vida, la crianza, la educación y la revitalización de la cultura. Se valora a la mujer como base de la organización social, porque transmiten a sus hijos los saberes de su cultura.
  • Vivir Bien y no mejor. El vivir mejor es una consigna que estimula el desarrollo del capitalismo. En la práctica se traduce en competencia, alta productividad, consumismo, egoísmo, desconsideración del otro, individualismo y objetivo centrado en el lucro: a mayor lucro, se supone, mejor vivir. El Vivir Bien, en cambio, apunta a una vida sencilla, que satisfaga las necesidades de todo los miembros de la comunidad, manteniendo una producción equilibrada que retire de la tierra apenas lo que se precisa, evitando la irracional explotación de los recursos naturales -cuyo carácter es finito- especialmente el agua.
  • Escuchar a los mayores. Aprender a leer las arrugas de los abuelos para poder retomar el camino de construcción de la comunidad. La sabiduría de los ancianos son fuente inagotable de conocimiento y aprendizaje para la sobrevivencia, la socialización y la evolución espiritual.
____________________________________________________________________________________

|| mais informação


La vida está en otra parte

segunda-feira, 21 de maio de 2018



"Poder respirar, despertarse, caminar, oler, beber agua, escuchar, mirar, ver... tratar de no dejar huella por donde caminas y, las que queden, que sean bellas; porque hay que pensar con el corazón y sentir con la cabeza". Estas son algunas de las palabras de Arturo Piegrande, de la Tribu de los Taitas. Video registrado por Soy la tribu.
_________________________________________________________

Por um mundo livre de homofobia

quinta-feira, 17 de maio de 2018




________________________________________________________________________________________

|| mais informação

O poder do silêncio

sexta-feira, 11 de maio de 2018



Pense no que vai dizer antes de abrir a boca. 
Seja breve e preciso, 
já que cada vez que deixa sair uma palavra, 
deixa sair uma parte do seu Chi (energia). 
Assim, aprenderá a desenvolver 
a arte de falar sem perder energia. 
Nunca faça promessas que não possa cumprir. 
Não se queixe, nem utilize ...



O silêncio é a maior sabedoria do homem. 
                                                                   Píndaro
________________________________________________________________________________________

Primatas

quinta-feira, 3 de maio de 2018



"Somos apenas uma estirpe avançada 
de macacos em um planeta menor 
de uma estrela muito comum. 
Mas podemos entender o universo. 
Isto nos torna muito especiais". 
                                                                     Stephen Hawking

________________________________________________________________________________________

|| mais informação

Mamagaia, Земля, Tokë, Lurra, Jörðin...

domingo, 22 de abril de 2018



... Erde, Zemlja, Terra, Země, Jord, Krajiny, Terre, Ddaear, Maa, Aarde, Föld, Earth, Cré, Art, Pământ, Pachamama, ערד...

...Tierra, en todos los idiomas que la evoquemos evocamos nuestra mama grande, la gran teta que nos alimenta, el abrazo abarcador, la gravedad que nos ancla, la esencia de vida e agüita de amor, la cósmica e ininteligible oportunidad que nos es dada para curar nuestras almas y alcanzar la paz por la que tanto claman nuestros corazones. Plano/planeta hembra que hoy celebra el día de su memoria para que todos recordemos (recordar: pasar por el cordis) su ardua labor de más de 4.500  millones de años preparando este paraíso que nos premia bien antes de ganarnos el derecho al premio. Celebremos, entonces, cuidando de ella. Y cantando, con los ángeles del canto, con el ángel Ica Novo...   



Verdes infinitos
sol de atardecer
y un paisano baja al río       
con su yegua a ahogar la sed

Esencia de vida
agüita de amor
savia del planeta       
milagro del niño y de la flor

Divino alimento
magia natural
curemos las almas       
para que en el mundo exista paz

Ángeles del canto
duendes del amor
salvemos la vida       
que dan Madre Tierra y Padre Sol

Todo el universo
está vivo y es
la misma conciencia        
latiendo en los astros y en tu piel

No tan sólo el hombre
sagrado animal
toda luz viviente                 
tiene derecho a la libertad

No hay razón que valga
más de un solo ser
hombre, cielo, monte        
mujer, ave, mar, yaguareté

Ángeles del canto
duendes del amor
salvemos la vida
que dan Madre Tierra y Padre Sol

________________________________________________________________________________________

|| mais informação

Impermanência

sábado, 14 de abril de 2018



________________________________________________________________________________________

Algo de grandioso acontece no mundo

terça-feira, 10 de abril de 2018



* Por Gustavo Tanaka

    Há alguns tempo me descolei da sociedade, me libertei das amarras e medos que me prendiam ao sistema. E desde então, passei a ver o mundo sob uma diferente perspectiva. A perspectiva de que tudo está se transformando e a maioria de nós sequer se deu conta disso.

    Por que o mundo está se transformando? Nesse post vou listar os motivos que me levam a acreditar nisso.

    1- Ninguém aguenta mais o modelo de emprego
    Cada um está chegando no seu limite. Pessoas que trabalham em grandes corporações não aguentam mais seus empregos. A falta de propósito começa bater à porta de cada um como um grito de desespero do peito.

    As pessoas querem sair. Querem largar tudo. Veja quantas pessoas tentando empreender, quantas pessoas tirando períodos sabáticos, quantas pessoas estão em depressão no trabalho, quantas pessoas em burnout.

    2- O modelo do empreendedorismo também está mudando.
    Há alguns anos, com a explosão das startups, milhares de empreendedores correram para suas garagens para criar suas ideias bilionárias. A glória dos empreendedores era conseguir um investidor. Grana do investidor na mão era praticamente a taça da copa do mundo.

    Mas o que acontece quando você recebe um aporte de investidor? Você volta a ser um funcionário. Você tem pessoas que não estão alinhadas com seu sonho, que não estão nem aí para seu propósito e tudo passa a girar em função do dinheiro. O retorno financeiro passa a ser o principal driver.

    Muita gente está sofrendo com isso. Excelentes startups começaram a patinar porque o modelo de buscar dinheiro nunca tem fim. É preciso uma nova forma de empreender. E tem muita gente boa já fazendo isso.

    3- O surgimento da colaboração
    Muita gente já se ligou que não faz sentido ir sozinho. Muita gente já acordou para essa loucura que é a mentalidade do “cada um por si”.

    Pare e pense friamente. Não é um absurdo, nós que somos 7,5 bilhões de pessoas vivendo no mesmo planeta, nos separarmos tanto? Que sentido faz, você e as milhares (ou milhões) de pessoas que vivem na mesma cidade virarem as costas umas para as outras? Cada vez que começo e pensar nisso, fico até desanimado.

    Mas felizmente as coisas estão mudando. Todos os movimentos de economia colaborativa estão apontando nessa direção. A direção da colaboração, do compartilhamento, da ajuda, de dar as mãos, da união. E isso é lindo de se ver. Até emociona.

    4- Estamos começando finalmente a entender o que é a internet
    A internet é uma coisa incrivelmente espetacular e somente agora, depois de tantos anos, estamos conseguindo entender o seu poder. Com a internet, o mundo se abre, as barreiras caem, a separação acaba, a união começa, a colaboração explode, a ajuda surge.

    Alguns povos fizeram revoluções com a internet, como a Primavera Árabe. Aqui no Brasil estamos começando a usar melhor essa ferramenta magnífica. A internet está derrubando o controle de massa. Não tem mais televisão, não tem mais uns poucos jornais dando as notícias que querem que a gente leia. Cada um vai atrás daquilo que quer. Cada um se une com quem quiser. Cada um explora o que quiser explorar.

    Com a internet, o pequeno passa a ter voz. O anônimo passa a ser conhecido. O mundo se une. E o sistema pode quebrar

    5- A queda do consumismo desenfreado
    Por muitos anos fomos manipulados, estimulados a consumir como loucos. A comprar tudo que era lançado, a ter o carro mais novo, o primeiro iphone, as melhores marcas, muita roupa, muito sapato, muito muito, muito tudo.

    Mas as pessoas já começaram a sacar que isso tudo não faz sentido. Movimentos como o lowsumerism, slow life, slow food, começam a aparecer pra mostrar que nos organizamos da forma mais absurda possível.

    Cada vez menos gente usando carro, cada vez menos pessoas comprando muito, cada vez mais gente trocando roupas, doando, comprando usado, dividindo bens, compartilhando carros, apartamentos, escritórios.

    A gente não precisa de nada disso que falaram que a gente precisava. E essa consciência quebra qualquer empresa que vive do consumo desenfreado.

    6- Alimentação saudável e orgânica
    A gente era tão louco que aceitou comer qualquer lixo. Era só ter um sabor gostoso na língua, que beleza.

    A gente era tão desconectado, que os caras começaram a colocar veneno na nossa comida e a gente não falou nada.

    Mas aí um pessoal começou a acordar e começaram a dar força pro movimento de alimentação saudável, de consumo de orgânicos. E isso vai ganhar força.

    Mas o que que isso tem a ver com economia e trabalho? Tem tudo a ver! A produção de alimentos é a base da nossa sociedade. A indústria alimentícia é uma das principais do mundo. Se a consciência muda, se nossa alimentação muda, a forma de consumo muda, e as grandes corporações precisam acompanhar essas mudanças.

    O pequeno produtor está voltando a ter força. As pessoas começando a plantar sua própria comida também. E isso muda toda a economia.

    7- Despertar da espiritualidade
    Quantos amigos você tem hoje que fazem yoga? E meditação? Quantas pessoas faziam isso 10 anos atrás? A espiritualidade por muitos anos era coisa do pessoal do esoterismo. Era coisa de gente esquisita do misticismo. Mas felizmente isso está mudando. 

    Chegamos no limite da nossa racionalidade. Pudemos perceber que só com a mente racional não conseguimos entender tudo que se passa aqui. Tem mais coisa acontecendo e eu sei que você quer entender.

    Você quer entender como essas coisas que acontecem aqui funcionam. Como a vida opera, o que rola depois da morte, o que é essa parada de energia que tanto falam, que que é física quântica, como é que os pensamentos podem se materializar e criar nossa realidade, o que são as coincidências e sincronicidades, por que quem medita é mais tranquilo, como é possível curar com as mãos, e essas terapias alternativas que a medicina não aprova, mas funcionam? Empresas promovendo meditação aos funcionários. Escolas ensinando meditação para crianças.

    8- Movimentos de desescolarização
    Quem criou esse modelo de ensino? Quem escolheu as matérias que você precisa estudar? Quem escolheu os temas que são estudados nas aulas de história? Por que não nos ensinaram sobre outras civilizações antigas? Por que uma criança deve aprender a obedecer regras? Por que ela deve assistir a tudo em silêncio? Por que ela deve vestir uniforme? Prestar uma prova para provar que você aprendeu?

    Criamos um modelo que forma seguidores do sistema. Que prepara pessoas para serem seres humanos ordinários e medianos.

    Mas felizmente também, tem muita gente trabalhando para mudar isso. Movimentos de desescolarização, hackschooling, homeschooling.

    Talvez você nunca tenha pensado nisso e esteja em choque com o que estou colocando aqui. Mas tudo isso está acontecendo. Silenciosamente, as pessoas estão acordando, se dando conta da loucura que é viver nessa sociedade. Olhe para todos esses movimentos e tente pensar que tudo está normal. Eu acho que não está.

    Há algo de muito extraordinário acontecendo no mundo.q
    ________________________________________________________________________________________

    || mais informação

    Equinócio de renascimento

    terça-feira, 3 de abril de 2018




    * Por Kate Spreckley

    Nunca antes um processo evolutivo exigiu tanto da humanidade. O movimento incessante das energias em evolução está nos empurrando para uma genuína e autêntica evolução da consciência. Uma evolução na consciência em que reconhecemos que a evolução da nossa alma e a evolução da Terra estão interligadas. Que a condição do mundo depende da condição da consciência da humanidade. E essa evolução deve acontecer para que a nova vida emerja e floresça. Mais do que nunca, é importante estarmos na verdade sobre quem somos autenticamente para aproveitar a energia de nossas almas e produzir uma nova realidade da Terra.

    Este é o ponto sem retorno e até agora, 2018 está provando ser mais um ano energeticamente poderoso. Nos últimos meses, a interação incessante de energias tem fundido tudo o que foi fragmentado na humanidade e no mundo. Isso está gerando enormes mudanças e mudanças tanto na Terra quanto na humanidade. O planeta e todos os que habitam nela estão literalmente se transformando de dentro para fora, criando uma recalibração de todos os campos de energia.

    Uma nova onda de energia cósmica chegou com a nova lua o último 17 de marco que permitiu o nascimento de um novo amanhecer e uma nova realidade. E o 20 de março, o Equinócio permitiu um aumento nesta nova energia, que criou uma clara mudança na energia da Terra. Essa mudança revelou uma porta de entrada para um novo futuro onde o poder da natureza e a paisagem da sua verdade mais profunda estão se fundindo para revelar uma nova vida. Assim, uma nova jornada de criação e manifestação está começando a iniciar muitos finais e novos começos.

    Atualmente, o campo eletromagnético da Terra está sendo muito afetado pelas energias que chegam. Esse impacto está causando uma reorientação da energia nuclear do planeta e sintonizando você com a natureza de uma forma muito mais profunda. Este processo tem sido particularmente difícil e caótico, à medida que antigos padrões energéticos foram dissolvidos, criando um espaço entre os poderes invisíveis da natureza e da humanidade. Neste espaço você está sendo puxado para o vasto mistério da sua alma onde todas as existências, todas as linhas do tempo e todas as realidades estão se condensando em um caminho forte, claro e estável.

    Recentes poços de criatividade estão sendo desenterrados e novos níveis de percepção espiritual estão fluindo. Vocês estão sendo chamados a viajar profundamente para dentro das câmaras do renascimento para permitir que sua consciência seja infundida com novos propósitos, novas percepções, novas compreensões e novos insights. Aqui você reunirá as sementes de novas possibilidades e novos potenciais. Vocês perceberão que não existe verdadeira separação e que a natureza é um reflexo de seu próprio potencial divino. Que a Terra é um santuário vivo onde sua alma e corpo se encontram em um estado unificado de consciência.

    Nesta poderosa conjuntura, uma consciência cada vez mais profunda das energias em evolução da natureza está surgindo. A Terra está abrindo seu reino para você fazer uma jornada honrosa. Ela está oferecendo a você a liberdade de se tornar totalmente desperto, conhecer e experimentar a Terra como um santuário sagrado de amor, cura e equilíbrio. Vocês estão sendo dotados de uma nova sensibilidade aos ciclos de mudança da energia e da natureza da Terra, que estão diretamente ligados ao seu crescimento futuro. Portanto, é imperativo que você comece a honrar os ciclos da natureza, o que significa honrar a Terra e seus recursos abundantes. Você é obrigado a ajustar intencionalmente sua pegada no planeta e aprender a andar levemente sobre a Terra.

    Use o período retrógrado de Mercúrio, que dura até meados de abril para alinhar suas motivações com a clareza e honestidade de sua alma. Tome passos cuidadosos em direção à nova realidade da Terra que está à frente. Concentre-se em conectar-se ao núcleo da Terra para que você possa criar uma base estável e segura para sua nova vida. Novos potenciais estão surgindo e muitas novas oportunidades estão se apresentando. Faça sua pesquisa antes de plantar as sementes. Trabalhe com as leis universais de equilíbrio e fluxo com o ritmo do universo e você criará uma vida bela, forte e mágica.

    As tempestades energéticas continuarão a passar a um ritmo implacável. Use os espaços sagrados da natureza para apoiá-lo. Viagem aos oceanos, às montanhas e às florestas. Ouça a voz da Terra e ouça sua música da criação. Siga seus ritmos e energia, o que irá inspirá-lo a seguir em frente com alegria e inspiração. Desvende e desmascare-se para que você possa se erguer como a fênix. Use esse tempo de renovação e renascimento para ganhar novos olhos e uma nova perspectiva divina.q

    ________________________________________________________________________________________

    || mais informação

    A infelicidade de ga$tar a vida

    terça-feira, 13 de março de 2018



    Em 1 minuto e 26 segundos, o ex presidente do Uruguai, José Pepe Mujica nos brinda com uma lição de vida para a gente entender como a ilusão do consumo acaba nos consumindo a nós mesmos. Dê um play e confira...
       


    ________________________________________________________________________________________

    || mais informação


    Otra Colombia, en la tierra del olvido

    domingo, 11 de março de 2018


    Adiós a las armas. En Santa Lucía, pobladores esperan al candidato a senador y exguerrillero Pablo Catatumbo.

    Domingo, 11 de marzo de 2018, dia para ser celebrado en Colombia, con los ex gerrilleros da las Farc participando de las elecciones legislativas, después del histórico acuerdo de paz de finales de 2016 que puso fin a más de medio siglo de guerra civil. Ahora, en el Congreso estarán por primera vez los antiguos guerrilleros haciendo política por la vía legal tras entregar las armas el año pasado con el aval de las Naciones Unidas.

    Ahí viene una nueva Colombia, esa que Carlos Vives homenajeó con su música  La tierra del olvido, bonita canción de amor, que Playin for Change idealizó en un bello mosaico colombiano, como una ofrenda de paz y unión. Dale play  y disfrútalo.q


    ________________________________________________________________________________________

    O tempo de fazer a escolha

    quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018


    Chegado o fim dos tempos, o céu e o inferno 
    se manifestarão simultaneamente 
    e cada pessoa deverá escolher 
    de que lado viver. (Profecia Maya 2)

    Para alguns, The Matrix é apenas mais um filme de ciência ficção, uma produção típica da fábrica de sonhos de Hollywood, mas para aqueles que apreciam a filosofia de The Matrix, é uma chamada wake-up, uma convocatória ao despertar da nossa consciência. O filme desafia nossa compreensão de perspectiva, realidade, ilusão e muitos outros conceitos intrigantes. A quase 20 anos da estréia muita coisa do filme se tornou verdade. O seguinte diálogo entre Morpheus, o líder espiritual, e Neo, chamado de “o escolhido”, parece reafirmar a certeza que temos muitos de nós de que nessa atual ordem mundial alguma coisa não funciona mais, alguma coisa falhou e não tem mais conserto.

    -Morpheus: ... ¿Acredita no destino, Neo?
    -Neo: Não.
    -M: ¿Por que não?
    -N: Não gosto da idéia de não ser eu quem controla minha vida.
    -M: Eu sei exatamente ao que você se refere. Vou te explicar porque você está aqui. Você está aqui porque sabe algo. Mesmo que você não possa explicá-lo. Porém o percebe. Foi assim durante toda sua vida. Alguma coisa não funciona no mundo. Você não sabe o que é, porém está aí, como um espinho em tua mente. E isso está enlouquecendo você. Essa sensação te trouxe até mim. Sabe do que estou falando?
    -N: ¿Da Matrix?
    -M: ¿Gostaria saber o que é isso? A Matrix está em todo lugar. É tudo que nos rodeia. Mesmo agora, nesta sala. Você pode vê-la quando olha pela janela, ou quando você ligar sua televisão. Você pode sentir isso quando você vai para o trabalho, quando você vai à igreja , quando paga seus impostos.
    -N: ...
    -M: A Matrix é um sistema, Neo. Esse sistema é nosso inimigo. Mas quando você está dentro, olha em volta, o que você vê? Empresários, professores, advogados, carpinteiros. As mentes das pessoas que estamos tentando salvar. Porém, essas pessoas ainda são uma parte desse sistema. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada. E muitos deles são tão inertes, tão desesperadamente dependentes do sistema que eles até vão lutar para proteger o sistema. A Matrix é o mundo que foi colocado diante dos seus olhos para cegá-los da verdade.
    -N: ¿Que verdade?
    -M: Que você é um escravo, Neo. Assim como todo mundo, você nasceu em um cativeiro, preso em uma cela que você não pode sentir, nem cheirar, nem saborear, nem tocar. Uma prisão para sua mente. Por desgraça não se pode explicar o que é a Matrix. Você vai ter que vê-la com seus próprios olhos. e esta é sua última oportunidade. Depois, não poderá voltar atrás. Se você tomar a pílula azul, pronto, é o fim da história. Acordará em sua cama e acreditará no que você quiser acreditar. Se toma a pílula vermelha, você fica  no País das Maravilhas e eu te ensinarei até onde vai a toca dos coelhos. Se lembre, o único que te ofereço é a verdade. Nada mais.
    --------------------------------------------------------------------------------------------

    Nessa hora do mundo,  na que atravessamos uma crítica e inquietante transição planetária, a questão da verdade é a chave mais chave da  vida, da nossa vida, da vida de cada um de nós. Mestres, sábios, xamãs, bruxos estão tentando nos guiar para a gente achar o caminho da verdade, aquele que nos tira da insuportável ilusão desse sistema materialista-extrativista-produtivista-consumista que já não vai a lugar nenhum, para levar-nos a outro nível de consciência e outra vida mais harmônica, mais justa, mais amorosa, mais bela.

    Porém, não será essa guia que decidirá qual caminho iremos a tomar. Os guias nos mostram o caminho mas a decisão é, inteirinha, nossa. É a hora da decisão de cada um por si e para si. Da mesma forma que no filme Matrix, o que nos é apresentado é uma escolha: de que modo preferimos ver e viver a vida?

    A escolha está aí: a pílula azul ou a pílula vermelha. Qual tomaremos?

    Pílula azul:

    • Escolhemos viver na ignorância.
    • Ignoramos o que se passa, e por isso estamos satisfeitos com aquilo que vemos/temos/sabemos.
    • Seguimos aquilo que nos é ditado, aceitamos o que nos é dito, e não temos opinião própria.
    • Assumimos que está tudo determinado, e não temos escolha.
    • Estamos confortáveis naquilo que assumimos ser a realidade.
    • Estamos contentes com aquilo que somos e que sabemos.
    • Estamos felizes com ir trabalhar/estudar todos os dias, acordar todos os dias à mesma hora, fazer exactamente as mesmas coisas todos os dias, seja lavar os dentes ou jantar a uma certa hora, trabalhar sempre à semana descansando ao fim-de-semana, ter férias sempre em certa altura, etc.
    • Basicamente, aceitamos o hábito, preferimos a rotina, viver sempre da mesma forma, ficar sempre no mesmo sítio, saber sempre as mesmas coisas, falar sempre com as mesmas pessoas, seguir sempre as mesmas políticas, seguir sempre aquilo que já sabemos, etc.
    • Deixamo-nos levar pela pressão social, quer na forma como devemos viver a vida, quer na forma de pensar.
    • Deixamos que a sociedade nos imponha o que pensar e como viver.
    • Sucumbimos à socialização (feita pela sociedade à nossa volta) e à educação formal (nas escolas, como diria Duckworth, que castram a nossa criatividade e individualidade).
    • Vivemos sempre dependentes de outros, e do que já é sabido.
    • Vivemos uma possível ilusão.
    • É mais fácil viver assim, é mais confortável quando não somos responsáveis pelo nosso destino.
    • Potencialmente leva a uma vida mais feliz: “Ignorance is a bliss” – a ignorância é uma benção que nos deixa felizes com a vida que temos.

    Pílula vermelha:

    • Queremos sempre ter um maior conhecimento, queremos saber sempre coisas novas, queremos aprender, queremos melhorar.
    • Examinamos a vida e a realidade.
    • Teremos certamente surpresas: umas vezes agradáveis e outras vezes desagradáveis.
    • Teremos uma maior pressão social para seguirmos a vida e a forma de pensar que nos impõem.
    • Questionamos o que nos dizem, questionamos o status quo, não estamos satisfeitos com aquilo que nos é apresentado, procuramos a verdade, não enveredamos por conspirações mas tentamos ver mais longe, tentamos mudar/melhorar as coisas, etc.
    • Duvidamos, arriscamos, questionamos, e procuramos as respostas.
    • Temos uma mente inquisitória (própria dos jovens de espírito, como diria Einstein, que continuam a colocar questões que parecem simples).
    • Temos uma mente aberta para experimentar coisas novas – “thinking outside the box”; mas não tão aberta que o cérebro caia.
    • Saímos fora da nossa zona de conforto, de modo a termos outras experiências.
    • Utilizamos o pensamento crítico, o “critical thinking”.
    • Pensamos por nós próprios.
    • Fazemos as nossas próprias escolhas, as nossas opções.
    • Damos um sentido à existência, em vez de nos limitarmos a sobreviver.
    • Procuramos e tentamos entender o sentido da vida.
    • Damos enorme valor à consciência, à forma como vemos o mundo à nossa volta.
    • Não nos limitamos a observar, mas pensamos, reflectimos, questionamos.
    • Entramos numa viagem que busca a verdade e o conhecimento. É uma viagem, um método de descoberta.
    • A responsabilidade da nossa vida, é nossa. Nós é que fazemos as opções para a vida que temos actualmente, e que teremos no futuro.

    || con aportes de Carlos Oliveira na bula das pílulas.
    ________________________________________________________________________________________

    || mais informação

    Seja impecável com sua palavra

    quinta-feira, 25 de janeiro de 2018


    Tezcatlipoca
    O trabalho Os Quatro Compromissos – o Livro da Filosofia Tolteca, do autor mexicano Don Miguel Ruiz, é baseado numa cosmologia conhecida, que entende o mundo como um grande sonho humano criado pela mente. Considerando esse sonho cheio de equívocos, o escritor busca desfazer o engano dos compromissos mundanos que advém do medo, e propões novos compromissos que nos levariam à percepção da verdade, das ilusões e do destino pessoal correto em nossas vidas.

    Ruiz relata a cosmovisão que deveria ter um ser humano para estar em equilíbrio personal, emocional, mental y social; incorporando um simples procedimento para eliminar crenças herdadas que limitam ao ser humano.

    Para a cultura tolteca (desenvolvida no México entre os séculos X e XII) a "realidade" que assumimos socialmente não é mais que um sonho coletivo, o sonho do planeta. Desde o momento mesmo de nascer, interpretamos a realidade mediante acordos e, assim, acordamos com o mundo adulto o que é uma mesa e o que é um vestido, mas também acordamos o que "está bem" e o que "está mal". Incluso chegamos acordar como os demais quem  nós somos e qual é nosso lugar no mundo (na família, na escola, no trabalho, na classe). A este processo, Ruiz o denomina domesticação. "A domesticação é tão poderosa que, num determinado momento de nossa vida já não precisamos que ninguém nos domestique. Não necessitamos que mamai, ou papai, a escola ou a igreja nos domestiquem. Estamos tão bem treinados que somos nosso próprio domador. Somos um animal auto-domesticado".

    Os compromissos tentam reverter essa tendência. Em vez de serem acordos coletivos, com o resto da sociedade, que acabam constituindo o inconsciente coletivo, são “acordos” de nós para nós mesmos. Estes novos acordos teriam o poder de nos fazer gradualmente recuperar as energias que perdemos nos esforços para compensar nossos equivocados medos e, assim, poder viver a alegria e a realização, numa nova vida repleta de energia, genuína felicidade e amor. 

    Os 4 compromissos são: 1. Seja impecável com sua palavra; 2. Não leve nada para o lado pessoal; 3. Não faça suposições; 4. Sempre dê o melhor de si. A continuação vai um resumo do primeiro desses compromissos que as pessoas podem fazer consigo mesmas para encarar uma existência mais harmônica:

    O primeiro compromisso -seja impecável com sua palavra- é o mais importante e também o mais difícil de cumprir. Parece simples, mas é extremamente poderoso. A palavra é o poder que você tem de criar. É por meio da palavra que você manifesta tudo. O que você sonha, o que você sente e o que você realmente é será manifestado mediante a palavra. A palavra é a mais poderosa ferramenta que você possui como ser humano; é a ferramenta da magia. Porém, como uma espada de dois gumes, sua palavra pode criar o sonho mais belo ou destruir tudo ao seu redor. Uma das lâminas é o mau uso da palavra, que cria um verdadeiro inferno. A outra lâmina é a impecabilidade da palavra, que apenas cria beleza, amor e o céu na Terra.


    Impecabilidade quer dizer “sem pecado”. Um pecado é uma coisa que você faz e que vai contra você mesmo. Tudo o que sente, em que acredita ou diz que vai contra você mesmo é um pecado. Você vai contra você mesmo quando se julga, ou se culpa, por alguma coisa. Quando você é impecável assume responsabilidade por seus atos, mas não julga nem culpa a si mesmo.

    Ser impecável com sua palavra é não usá-la contra você mesmo. Se eu o vir na rua e o chamar de estúpido, parece que estou usando a palavra contra você. Na realidade, estou usando minha palavra contra mim mesmo, pois você vai me odiar por isso, e o seu ódio não é bom para mim. Portanto, se eu ficar zangado e com minha palavra mandar todo o veneno emocional para você, estou usando minha palavra contra mim. Se amo a mim mesmo, irei expressar esse amor em minha interação com você, e então serei impecável com a palavra, porque aquela ação irá produzir uma reação análoga. Se eu amo você, então você irá me amar. Se eu insultá-lo, você irá me insultar.

    Se você compreender este primeiro compromisso de ser impecável com sua palavra, você começa a perceber todas as mudanças que podem acontecer em sua vida. Primeiro, na forma como você lida consigo mesmo, e, depois, na forma como lida com outras pessoas, especialmente aquelas a quem ama mais.

    Sempre que escutamos uma opinião e acreditamos nela, fazemos um compromisso que se torna parte do nosso sistema de crenças. A única coisa que pode quebrar uma crença é fazer novo compromisso.

    Ser impecável com a própria palavra. Este é o primeiro compromisso que você deve fazer se quiser ser livre, se quiser ser feliz, se quiser transcender o nível de existência que é o inferno. Use a palavra para espalhar o amor. Use magia branca, começando com você mesmo. Diga a si próprio quão maravilhoso você é, como é grande. Diga a si mesmo como gosta de você. Use a palavra para quebrar todos os pequenos compromissos que o fazem sofrer.q
    ________________________________________________________________________________________

    || mais informação